sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Feliz Año que se vá y Feliz Año que llega!!

* Para minha família: Nati; Tido; Mãe; Mathias; Maynar; Tia Norma e Tio Henry; meus cunhados, cunhadas, sobrinhos e sobrinhas emprestados; oma e opa da Nati;
Nossa!! Quanta gente!!

* Para meus amigos de muito tempo; de pouco tempo; que moram longe; que moram aqui perto;

* Meus colegas professores; meus colegas funcionários; coordenadores; diretores atuais e os ex;

* Para meus companheiros de OSPA, faremos muuuita música e teremos um Teatro Novo;

* Meus vizinhos queridos;

* Meus conhecidos e...claro...desconhecidos;

* Pessoas do mundo.
Que todos sejam felizes, mesmo que se trate de uma utopia, é o que sentimos sempre na mudança de ano. Então:
FELIZ 2011!!!

quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

To myself

The answer to my life is blowing in the wind. 
I'm sure that'll find, no matter how long it takes. 
If I love, I can.
And the stars will always be around to warn to warn that we are not alone.

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Algunas cosas para el nuevo año


Nó...una sola...
Estoy incapacitada de entender, sea lo que sea.
Que pasa conmigo?
Tengo yo que comenzar de nuevo
Pero...donde paré?
Perdi la noción de la realidad
Si al menos la Luna pudiera
Apuntarme un camino
Me tomaria la estrella más cerca
El la dirección del viento norte
Que me llevaria donde no pude
Todavia llegar
Es un lugar especial
Que hace mi corazón cantar




Sou mesmo uma .....

A vida é assim, ouço todos dizerem.
Depende. Nada é...Tudo se faz.
Gostaria que muitas coisas fossem diferentes.
Não são, não porque a vida é assim.
Apenas não são porque cheguei tarde...
ou cedo...ou vice-versa.
Queria, por exemplo, falar coisas que nunca conseguirei.
Isso não há como entender, nem eu entendo.
Falo tudo ao contrário do que gostaria de dizer.
Será?
Tenho medo, sim, todos têm
Tenho inseguranças?, sim, todos têm
Tenho uma linda filha? Sim, essa ninguém além de mim, tem.

domingo, 26 de dezembro de 2010

Só além do Horizonte?!

Segundo Roberto...
Além do Horizonte deve ter algum lugar bonito prá viver em paz
Onde eu possa encontrar a natureza, alegria e felicidade
Com certeza...
Lá nesse lugar o amanhecer é lindo com flores festejando
Mais um dia que vem vindo...
...
Só além do Horizonte...
Esse é o Meu Rei

...

Não sei mais nem quais são as perguntas...portanto, não sei mais procurar por respostas.
Minha imaginação cria infinitas possibilidades de interpretar palavras. Gostar de Poesia dá nisso....
As rimas perdem-se em tempestades de sentimentos.
Querem saber? Nem quero procurar resposta alguma. Prefiro ficar com a Poesia e com a ilusão de que o Amor existe.

 "Nunca soube o que fazer
com os espaços que ficam
depois que alguém vai embora
uma dúvida insiste
e de tanto, o meu tentar desiste
de trocar a ausência
por qualquer coisa que fira menos:
nada para repor
nada para suprir
nada que realmente comportasse
o encanto de algo que ficou
para trás."


(Cáh Morandi)

sábado, 25 de dezembro de 2010

Oracíon

Señor
Termina un año más. Tu los sabes muy bien...
Siempre me viene esta necesidad de hablarte. Darte gracias por Tu paciencia con los humanos, por Tu calma al oír nuestras lamentaciones, por Tu Luz que siempre nos ilumina en los momentos en que nuestros corazones se quieren apagar.

Gracias por las flores, el aire y el sol, por la alegría y el dolor,
por lo que fue posible y por lo que no pudo ser.

Gracias por mis manos que me ayudaron a hacer lo que pude para crear y construír en mi trabajo.
Gracias por haber puesto en mi camino las personas que a lo largo de estos meses amé, las amistades nuevas y las de antes, los mas cercanos a mi y los que están más lejos, los que me dieron la mano y aquellos a los que pude ayudar, con los que compartí ideas, conocimientos, el dolor y la alegría. 

Pero, también hoy, te pido Perdón.

Perdón por momentos vacíos, por palabras mal dichas, por trabajos menos criativos. Por entregar mis fuerzas a la tristeza y a la ansiedad en várias situaciones en el año. Sé que no me hizo bién y sé que Tu ya lo sabías. 

Perdón por sentir miedo de la vida, por desperdiciar Amor. Perdón por solamente hoy hablar contigo con el corazón. Por todos mis olvidos, descuidos y silencios.

Iniciaremos un nuevo año y detengo mi vida para presentarte los dias futuros, pues solo Tu sabes si voy a vivirlos o nó.
Humildemente Te pido Paz, Alegria, Prudência, Sabiduria y Bondad, para toda la Humanidad.
Deseo vivir cada minuto con optimismo y calmamente, cerrando los oídos para las palabras que no traen cosas buenas, ayudando mi hija a ser una mujer que sepa buscar su felicidad, pase lo que pase.
Deseo llevar a todas partes compreensión, alegria y paz.

"Que mi espíritu se llene de bendiciones y que todos cuanto conviven conmigo
o se acerquen a mí encuentren en mi vida un poquito de TI." 

Y que en este año Todos sepan repartir felicidad!

Te lo pido Señor

Amén

Fernando Pessoa ajuda até no Natal...

Temos, todos que vivemos,
Uma vida que é vivida
E outra vida que é pensada,
E a única vida que temos
É essa que é dividida
Entre a verdadeira e a errada.

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Hoje é Natal

Sim, sabe aquelas lembranças da Infância, de ir nas celebrações com todos os rituais possíveis, desde a escolha da roupa à preparação dos cantos no grupo de jovens. O pai, a mãe, minha vó e eu, todos na casa de minha outra vó, abuela Elisa.
A mesa sempre preparada ao estilo italiano, abundância de tudo, só prá nós. Como se todas as pessoas que longe estavam (porque na minha família sempre foi assim, um pouco em algum lugar do mundo), estivessem ali, presentes naqueles momentos cheios de versos em italiano no colo do meu Tata (vô) e de histórias de família. Talvez isso tenha ajudado na minha forma de enfrentar distâncias, mesmo que muitas vezes as tente estreitar. Tento, não por receio ou medo de perder, tento porque sinto vontade de ficar perto, porque sinto saudade.
Então, hoje é Natal.
Temos que vivê-lo, o que vai mudando com o tempo, com a idade é a forma como o vivemos.
Nossa sociedade é cruel...O Natal nunca foi assim prá mim. Os presentes são importantes, sim, desde que venham com Amor e Carinho. Caso contrário, sinto muito, não servem prá nada.
O Jesus da Bíblia, procuro compreender.
O Jesus do coração, que meu Pai falava, esse Eu Creio!

FELIZ NAVIDAD A LOS DE CERCA Y DE LEJOS!

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Estrela (minha)

Ontem...
a Lua estava linda.
Ontem...
vi uma estrela que caiu do ceu. Uma estrela linda, brilhante.
Foi tão rápido que mal deu tempo de fazer um pedido.
Estava com uma colega e tentei mostrar, mas...caiu atrás do prédio.
Lembrei de quando era pequena, ficávamos horas olhando para o ceu, meu pai e eu,
prá ver quem seria o primeiro a ver uma estrela cadente.
Sonhava que quando caísse, fosse pertinho, assim poderia correr e pegá-la.
Na vida é desse jeito, tudo que é bom passa tão rápido...
Mas, digo a todos que fiz meu pedido.
Ontem...
quando a estrela caiu, queria correr para cuidá-la.
Não foi possível, as estrelas têm um grande poder de desaparecer.
Estrelas brilhantes, cadentes e vigilantes, levem meu carinho onde achem que deve ir.
Confio em vocês!

DANTE'S PRAYER (Beautiful!!!)

Dante's Prayer

When the dark wood fell before me
And all the paths were overgrown
When the priests of pride say there is no other way
I tilled the sorrows of stone

I did not believe because I could not see
Though you came to me in the night
When the dawn seemed forever lost
You showed me your love in the light of the stars

Cast your eyes on the ocean
Cast your soul to the sea
When the dark night seems endless
Please remember me

Then the mountain rose before me
By the deep well of desire
From the fountain of forgiveness
Beyond the ice and fire

Cast your eyes on the ocean
Cast your soul to the sea
When the dark night seems endless
Please remember me

Though we share this humble path, alone
How fragile is the heart
Oh give these clay feet wings to fly
To touch the face of the stars

Breathe life into this feeble heart
Lift this mortal veil of fear
Take these crumbled hopes, etched with tears
We'll rise above these earthly cares

Cast your eyes on the ocean
Cast your soul to the sea
When the dark night seems endless
Please remember me

Please remember me...

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

!!

Estou aqui, com saudade...Que coisa!
Será que não tem cura?
Talvez um chá prá acalmar, se minha avó dizia que tinha um chá prá tudo, deve ter algum
prá aquietar um coração rebelde, cismado, desconfiado, apaixonado.
Não. Controle, razão, meditação...

Tá bom!

Feliz Natal!

Se esqueceres de mim...

...Esquece tudo.
...Esquece das minhas palavras, dos meus gestos, da cor dos meus cabelos e dos meus atropelos.
...Esquece da nossa canção, daquela nossa emoção, daqueles dias tão bonitos...mesmo sem sol.
...Esquece das minhas histórias, das minhas alegrias, de tudo que eu disse, tudo que eu escrevi.
...Esquece que eu existi, também vou deixar de pensar em ti.
...Me esquece, desaparece, segue teu rumo, tua escolha, teu caminho, me deixa continuar sozinha.
Mas, me esquece de verdade, tranca o coração e joga fora a chave, sou insistente, talvez tente de novo entrar...
...Fecha teus olhos pra não me ver, fecharei os meus pra te esquecer.
...Não diga nem mais uma palavra pra mim, há de ser bem melhor assim.

(Adaptado de um escrito de Silvana Duboc)

Oración para hoy, Lunes!

"Señor, ayudadme a pasar los momentos difíciles. Sabe Usted que para mí solamente hay una dificultad: compreender el corazón, el mío, por supuesto, dejarlo quieto, hacer con que no salte, que obedezca la mente y la razón. Pues le pido Señor mío, muéstreme lo que es cierto de hacer. Mis ganas no valen más de lo que debe ser. Haz con que pase rápido todo esto, nó quiero pensar más, no quiero sufrir más. Necesito quietud y calma para estar con mi hija siempre con la meta de ayudarla y nó complicarla más. Esto sí es lo importante. Con la humildad que mi padre me enseñó, se lo pido, Señor! Amén!

domingo, 19 de dezembro de 2010

O que tenho a dizer hoje?

Quase nada
Até acho que nada é
Prá quem quer que seja

Tanto faz.
Ou melhor...
Tanto faz depois de passar.
E vai passar...
Estou decepcionada
Comigo, contigo, com todos
Que pena
Não queria perder o encanto
Veio um vento
E o levou

Amigos são estradas

Escrito por uma ex professora minha de Matemática que mora em Livramento
 SUELY OLOVATE


Certos amigos são indispensáveis, simples
Como auqlea estradinha de terra no interior
Onde do alto da colina podemos avistá-la inteirinha
Sabemos onde podemos ir e onde podemos chegar
São transparentes e confiáveis.


Outros, acabaram de chegar
Como estradas que só conhecemos pelo Guia
E vamos nos aventurando sem saber muito bem seus limites
É um caminhos desconhecido
Mas que sempre vale a pena trilhar.

Tem amigos que lembram aquelas estradas vicinais
Que pouco usamos, pouco vemos
Mas sabemos que quando precisarmos, ela estará lá
Poderemos passar e cortar caminho
Mesmo distante, estão sempre em nossa memória.

Por certo, também existem amigos que infelizmente
Lembram aquelas estradas maravilhosas
Com pistas largas e asfaltos sempre novo
Mas que enganam o motorista
Pois são cheias de curvas perigosas.
E quando você mesnos espera...
É traído pela confiança excessiva.

E existem amigos que são como aquelas estradas
Que desapareceram, não existem mais
Mas que sempre ligam nossa emoção até a saudade
Saudade de uma paisagem, um pedaço daquela estrada
Que deixou marcas profundas em noso coração.
Foram, mas ficaram impregnados em nossa alma.

E na viagem da vida, que pode ser longa ou curta
Amigos são mais do que estrada
São placas que indicam a direção
E naqueles momentos em que mais precisamos
Por vezes são o nosso próprio chão.

Bem, neste momento sei que devo escrever, mas não sei por onde começar.

Demorei, mas
Cheguei,
Esperei, e
Pensei...Sim,
Entendi.

Brinco,
Mas só tem um motivo
Fugir da força do que sinto
Ou da força do medo do que sinto.

Porque estou assim
Dependente,
Amarrada,
Distraída,
Esquecida?

Só há uma resposta:

Responde prá mim?

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Finais

Final de ano meu cérebro insiste, teima em pensar só em acabamentos, em términos.
Engraçado que prá três amigas minhas, três pessoas que admirava, cada uma com seu jeito, cada uma com seu ponto de vista sobre a vida, sobre o mundo, sobre relacionamentos, sobre a sociedade, os términos de suas vidas (ou o começo de outra...não sabemos) foram no início do ano e no meio desse ano que está indo, ou melhor, ficando prá trás, nós que continuamos a ir... Mesmo assim, insisto em sentir nostalgias, saudades, até vem aquela vontade de ser criança de novo. Parece que minha vida, há 30 anos atrás, mais ou menos, era outra vida, ou eu era outra pessoa. Como se fosse um filme, um sonho, qualquer coisa menos minha própria vida. Longe daqui. Perto da felicidade. Era assim. Ilusão? Nada...Ilusão é o que vivemos hoje. Pessoas neurotizadas por receio de dispensas, pessoas neurotizadas porque não admitem as diferenças de vida, de pensar, de crer, de amar. Ninguém sabe o que é Amar e ficam falando o tempo todo e com aquela autoridade.

Em minha vida extrapolei muitas vezes, por pensamentos e palavras, atos e omissões. Por minha exclusiva culpa. Seria extrapolar se não extrapolasse como sempre fiz, pois sofreria muito mais, tanto nas amizades como nas paixões impossíveis de controlar.

Amo o que faço e faço tudo com amor intenso. Alguma coisa sempre termina no final do ano prá que outras comecem. É preciso que seja assim. Já pensei em ir embora várias vezes prá minha terra. Ainda não tive coragem. O que começará...não sei. Gosto de surpresas e improvisações. Mas o que terminará...desconfio.
Por minha culpa, minha tão grande culpa.

Perdão

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Nó (s)

Nó no peito
Coração na boca
Existe uma Saudade
Mas só porque o s
Nunca ficará
Deixará apenas o Nó

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Nem um Boa Noite?

Minhas amigas acham que a felicidade é tão fácil.
Na real, não luto por ela, não tenho o mínimo interesse em ser feliz pra sempre. Não teria graça como escreve Cecília Meireles. Acho que algumas pessoas projetam nas outras uma felicidade ilusória de suas próprias vidas. Que nada.
Luto por momentos felizes, desses não abro mão.
Hoje não estou feliz. Sou invasiva e impulsiva.
Cheguei em casa tarde porque estava tentando ajudar pessoas fantásticas, mas que estão tristes.
Pois triste fiquei. Queria tanto conversar...
Não terei chance de retomar. Tudo bem.
Agora será silêncio total. Pelo menos de minha parte.
Compreendo perfeitamente as impossibilidades dos desejos.
Nossos caminhos são escolhas, e as escolhas são livres.
Não atrapalharei mais ninguém, não chamarei mais ninguém.
Ok!
Será que todos compreendem os afetos e suas consequências? Pregar que precisamos desenvolver nossos afetos sem praticá-los é humanamente impossível, até mesmo na vida religiosa.
Sabemos todos disso.
E não me venham com histórias de contos de fadas.

Bem.

Arrivederci

Precisa-se de um amigo

Não precisa ser homem, basta ser humano, ter sentimentos.
Não é preciso que seja de primeira mão, nem imprescindível, que seja de segunda mão.
Não é preciso que seja puro, ou todo impuro, mas não deve ser vulgar.
Pode já ter sido enganado ( todos os amigos são enganados).
Deve sentir pena das pessoas tristes e compreender o imenso vazio dos solitários.
Deve gostar de crianças e lastimar aquelas que não puderam nascer.
Deve amar o próximo e respeitar a dor que todos levam consigo.
Tem que gostar de poesia, dos pássaros, do por do sol e do canto dos ventos.
E seu principal objetivo de ser o de ser amigo.
Precisa-se de um amigo que faça a vida valer a pena, não porque a vida é bela, mas por já se ter um amigo.
Precisa-se de um amigo que nos bata no ombro, sorrindo ou chorando, mas que nos chame de amigo.
Precisa-se de um amigo para ter-se a consciência de que ainda se vive.

Carlos Drummond de Andrade

Os Ombros Suportam o Mundo

Chega um tempo em que não se diz mais: meu Deus.
Tempo de absoluta depuração.
Tempo em que não se diz mais: meu amor.
Porque o amor resultou inútil.
E os olhos não choram.
E as mãos tecem apenas o rude trabalho.
E o coração está seco.
Em vão mulheres batem à porta, não abrirás.
Ficaste sozinho, a luz apagou-se,
mas na sombra teus olhos resplandecem enormes.
És todo certeza, já não sabes sofrer.
E nada esperas de teus amigos.
Pouco importa venha a velhice, que é a velhice?
Teus ombros suportam o mundo
e ele não pesa mais que a mão de uma criança.
As guerras, as fomes, as discussões dentro dos edifícios
provam apenas que a vida prossegue
e nem todos se libertaram ainda.
Alguns, achando bárbaro o espetáculo
prefeririam (os delicados) morrer.
Chegou um tempo em que não adianta morrer.
Chegou um tempo em que a vida é uma ordem.
A vida apenas, sem mistificação.

Carlos Drummond de Andrade

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Apenas estudando o italiano...

Questo silenzio dentro me
Vi è una inquietudine
Non è possibile
Lo so.
Chissà un giorno
No soffrire più
Dolci sono i momenti i nostri
Anche così lontano 
Sembra che siamo così vicini
(preciso de mais vocabulário...)

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

O dia de dentro e de fora

Amanheceu hoje um ceu azul.  Azul celeste, realmente celestial.
Cada amanhecer na vida de todos deveria ser assim. Só é incompreensível que o tempo, ao passar, transforme o colorido de fora e de dentro. De fora, visível; de dentro, dolente. De um ceu azul, em pouco tempo passou ao cinza, com suas várias tonalidades: do claro ao escuro. Sinto um cansaço em todos os aspectos de minha vida. Porém, algo me  sustenta, algo me impele para frente, e é de dentro, não de fora. Não entendo como uma tristeza pode incapacitar corações humanos, tão fortes que são ao enfrentarem as vicissitudes da vida. Não entendo porque amo, sei que amo. Amo o que foi e o que não foi. Mais que isso, amo o que pode ser, ou não.
Não importa.
Ah! Queria poder fazer ser, mas não sei como.
Como diz Gonzaguinha...Eu apenas queria...

E por aí vai.

Amanhã o dia será azul celeste novamente.
Se não for amanhã, depois de amanhã.
Sem problemas.

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Mais um pouco de divagação...É o que acontece no final de ano...sempre...

Amizade, contrução de vínculo. Certo, sem dúvida alguma.
Mas, para construír-se o vínculo, pressupõe-se que dois seres sofram e sintam através dos sentidos a tal daquela força estudada em Física, a atração. Atração de semelhanças ou de opostos, tanto faz...Pois, de uma forma ou outra há um atrito, uma identificação, ou admiração que seja. 

Pedaços de Letras 4

A solidão é nada
sempre vem na hora errada
em que eu não a quero aqui

Que solidão que nada,
eu preciso é ser amada,
eu preciso é ser feliz
...

Já que o tema Amor apareceu...um pouco sobre ele, sempre é bom.

“Amar os outros é a única salvação individual que conheço: ninguém estará perdido se der amor e às vezes receber amor em troca.” - Clarice Lispector - 


“Quero, um dia, poder dizer às pessoas que nada foi em vão… que o AMOR existe, que vale a pena se doar às amizades a às pessoas, que a vida é bela sim, e que eu sempre dei o melhor de mim… e que valeu a pena!” - Adriana Britto -


“É preciso sofrer depois de ter sofrido, e amar, e mais amar, depois de ter amado” - Guimarães Rosa -


“Importar-se com outra pessoa abre a possibilidade para se magoar com as falhas ou ausências dessa pessoa. Para nunca sofrer é preciso nunca amar.” - Léa Waider -


“O amor é uma flor delicada, mas é preciso ter coragem de ir colhê-la à beira de um precipício.” - Sthendal -

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

´Só as mulheres amam' - José Pedro Goulart

Li, reli, li de novo...
Gostei do que li.
Nessa onda de acharmos que nossa sociedade muda o tempo todo, apresenta-se com uma memória curtíssima, encara problemas sérios como aspectos 'normais' da vida dos indivíduos, achei uma coisa que penso nunca ter mudado...As mulheres amam e amam muito. Sim, sem dúvida!
Amamos e talvez nem saibamos o quanto amamos. Pior que isso é que os alvos de nosso amor, carinho e afetos infinitos não se dão conta disso. Lástima. Como uma amiga nova, mas que parece ser de sempre, disse-me hoje mesmo:
Alguns parecem tão estúpidos...
Talvez não se faça necessário sermos tão enfáticas ou radicais assim. Os admiro profundamente, mas...realmente...às vezes...

Melhor lerem.

Gastei uma vida sem saber - e de repente esse pensamento se instalou em mim feito uma bactéria oportunista: só as mulheres amam. Aos homens, esse é um benefício relativizado. O homem luta pelo amor da mulher, disputa esse amor; e quando o recebe, sacia-se, lambuza-se com ele, liga o plugue que a natureza lhe deu na cavidade receptora que natureza deu a ela e recarrega a si de energia vital. Parece recíproco, mas não é.
Eis o papel da mulher no mundo, produzir amor. Tal como a selva amazônica produz oxigênio. Ao homem cabe decifrar e devorar. Decifra com poemas, canções e poréns. Devora com o verbo, engole com a palavra. Pinta quadros, cria partituras, filosofa. Enquanto o homem cria, a mulher gera. A mulher olha, entende, e perdoa. Por amor. O homem não olha, não entende e, se perdoa, é por conveniência.
E não é só em casamentos tradicionais. Veja o caso da Igreja - entre freiras e padres, quem de verdade esta ali em renúncia por amor? Uma freira não reza a missa, não batiza ou recebe confissão. Ama apenas, sobre todas as coisas. Inclusive sobre sua própria condição de oprimida. Da mesma forma que uma ama é capaz de amar o filho de outra mulher como se fosse dela. (Existem babás homens? Existe professor de primário?)
Mas há obstáculos. A sociedade neurotizada por objetivos eminentemente masculinos exige avanços, conquistas. É o suplício da submissão coletiva. Todos dizem que é preciso ter um norte. Como o ímã de uma bússola apontando sempre para lá. Quem inventou a bússola? Fosse uma mulher e uma bússola apontaria para o sul - de lá é que vem os ventos que espalham a vida. (E giraria todos dias entre os quatro pontos cardeais.)
E há o silêncio. E isso é o mais notável. Só uma mulher consegue amar onde não entende. Entender significa apalavrar. A palavra sempre é menos que o sentido. A palavra é um choque de realidade. E quem quer saber da realidade? Quem são os suspeitos de racionalizar as coisas? A realidade condena, o delírio liberta.
Não, não sou ingênuo, sei o quanto uma mulher pode usar o amor ao reverso. Como sei da secura que vem da resistência. Mas este não o meu ponto aqui. De modo que declaro que estou ciente dos riscos que corro ao dizer que pertenço a tribo dos inaptos. É que minha consciência se elabora quando me disponho.
Portanto, convoco aos senhores para que entreguem as armas. Senhoras, por gentileza, assumam. O caos reina onde o amor desaparece. E alguém duvida do caos?
Twitter: @ZPgoulart

José Pedro Goulart é cineasta e jornalista

terça-feira, 30 de novembro de 2010

sem nome

parou o tempo
foi-se o hoje
que amanhã não existirá
o que existe do amanhã no hoje?

o sol e a lua
viveram uma ilusão
pois um viveu no dia
e o outro sempre na noite.


há quem diga
talvez em outra vida
o Sol iluminará a noite
e a Lua contemplará o dia.

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Filosofia de botequim

Saibam que só há um caminho, o hoje, o presente, eu sou.
Não há bom senso se pensarmos somente no futuro.
Qual futuro? Aquele que temos a ilusão que planejamos?
Melhor não. Sejamos menos complexos e pensemos em sublimar dores para dar espaço à alegria.
Este é o melhor caminho. Nós provocamos nossas próprias angústias e medos.
Será que apenas fazemos isso para termos aquela felicidade de estarmos curados da tristeza? Sim, pois a alegria aparece quando damos fim a uma tristeza. Quantas bobagens fazemos ou quantas deveríamos fazer e deixamos de lado...
Pena...
Somos complexos ao ponto de esquecermos que hoje é hoje e que agora já passou...
Logo, o amanhã não existe.
É nada, apenas nada...

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

«O amor em matéria de ausência,
se é sofrido,
não é grande;
se não é impaciente,
não é amor.» 
 

Música, Maestro!!

Ensaio...
Sempre complicado.
Começa a música, pára...mais intenso aqui...
mais suave no compasso...
mais articulado no texto que fala sobre...

Chega o momento de aquecermos os instrumentos (voz), começa a concentração. Nesses minutos gosto  somente ouvir e lembrar do que deve ser feito.

Ao entrar no palco e olhar a plateia, pessoas procurando seus lugares, pessoas procurando por outras...
O spala levanta e inicia-se o ritual de afinação dos instrumentos, clarinetes, metais, cordas, percussão.

Silêncio fatal...Hora de começar.
Finalmente, entra o maestro com seus passos firmes, espera, olha a todos bem lentamente, ergue os braços e começa a música.
São inesquecíveis esses minutos que dizem ao tempo:

-Para, espera, não passa porque a música começa!

Assim vamos, até o final. Tenho a sensação de que é a única força que existe já que sensibiliza os corações mais estáticos que possam existir.

Gostaria que todas as pessoas que gosto vivessem essa experiência.

Maestro...música por favor!!

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Era uma vez...

Um lugar
Uma menina
Um lar
Uma família



Que amou
Que muito chorou
Que perdeu
Mas aprendeu

A errar

Mas, logo, acertar
A conviver
Em várias línguas
A sonhar
Para conseguir
A perdoar
para não mais perder
A amar
Para não morrer


Era uma vez...

domingo, 21 de novembro de 2010

Divagações...

Hoje preciso escrever e nem sei prá que...Não sei nem por onde começar...
A incompreensão da palavra dita e da palavra escrita é o que vigora.Tenho receio do que escrever, do que falar. É hora de parar, talvez seja isto o que deva escrever.
Temos que reconhecer as possibilidades e suas limitações.
Sou eu que devo reconhecer que minha vida não está mais prá improvisações, a dificuldade que enfrento com relação a isso é que nunca consegui não improvisar, sempre driblei regras de tal forma imperceptível para a maioria que passava invisível por tudo e por todos. Acho que desaprendi a improvisar, um pouco disso aprendi na Academia, no colégio...Prá isso não falta professor. Alguém, por gentileza e por desespero meu, explique-me como fazer prá viver uma vida sem criar, sem brincar, sem rir, sem buscar nas mínimas situações, nas menores palavras, uma incrível ideia ou um momento prá ser feliz????

Onde está a música que faz o mundo brilhar, girar, produzir, amar, conviver...
Minha música não existe mais (é o qie estou a sentir neste momento), minha voz apagou-se hoje, meu desejo por cantar se esvaiu.
Não admito fazer música meia boca, não admito fazer educação meia boca, não admito fazer qualquer coisa meia boca. Estou furiosa...
Que nada...estou triste mesmo...

Que pena...

Aeroportos de minha vida

Alegrias, tristezas, saudade...Muitos sentimentos perpassam e alinhavam acontecimentos no mundo de um aeroporto. Desde pequena andei por eles. A maior emoção sempre foi a chegada, não aqui...lá, seja onde for...Cada vez tive uma emoção diferente, mais ou menos assim:

Montevideo, o começo de tudo 1, pequeno, pacato, parecido com minha casa da infância, sempre por lá saia com meu pai;
Madrid, uma beleza sedutora e forte;
Lisboa, surpresas;
Rio, simpatico e cheio de emoções;
São paulo, nervoso e de uma fluidez infinita;
Belo Horizonte, muito canto e muitas fotos;
Paris, inacreditável quando chegamos; um choro só quando partimos;
Roma, encantador só de chegar perto e pensarmos em tocar seu chão;
Milan, pequeno, chiquérrimo;
Londres, cosmopolita e inexplicável;
Boston, cheio de medos e expectativas;
Nova York, quase ninguém gosta...eu o amo;
Baires, parecido com os porteños rsrsrsrsrs
Chile, carismático;
Porto Alegre, o começo de tudo 2;
Barilhoche, pequeno, aconchegante mesmo com todo o frrrrio;

Alguns outros, não provoocaram nada além de uma simples passagem para outro lugar.

sábado, 20 de novembro de 2010

Pedaços de letras 3

Love hurts, love scars, love wounds' and most
Any heart not tough or strong enough
To take a lot of pain, take a lot of pain
Love is like a cloud, it holds a lot of rain
Love hurts, oh, oh love hurts
 
 

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

O Silêncio

Se não houvesse o silêncio não haveria a música. Já ouviram isso? Eu já.

É no silêncio de um som a outro que a melodia toma sua forma, que os sentimentos se moldam, se preservam, se cuidam e só então a melodia mostra-se no seu todo expressivo e sonoro. Quando a música de alguma forma para no meio, ou um cantor interrompe seu canto, surge uma ansiedade, uma aflição, um...coração na boca...como se o silêncio, se muito prolongado, desse um certo medo...ou provocasse uma vontade indescritível de descobrir qual a próxima nota da melodia (qual a próxima palavra do texto...).


Na vida, estamos a cada pensamento, a cada palavra, a cada gesto, escrevendo ou compondo uma melodia, às vezes triste, outras vezes um tanto alegre, em alguns momentos a escrevemos apaixonadamente, noutros com ódio mortal. Porém, pode ser que nada disso seja, apenas a compomos sem propósito algum.
Mas...sabemos de uma coisa
Sim, conhecemos (ou será que não?) o final...
Há somente um final para ela, então...o que temos? Bem, temos as improvisações no seu desenvolvimento as quais são tão incrivelmente desconhecidas e infinitas que as minhas nem sei para onde me levarão, se é que me levarão, pode ser até que não.
Não importa...Isso veremos na medida em que, como diz a música, "o tempo vai e o vento vem"...

Talvez quem mais em silêncio fique tenha mais coisas a dizer...Será?
O silêncio me provoca, me aproxima mais que o possível permitiria, mas não gosto quando eu fico em silêncio e tenho vontade de falar.
Sinto-me aprisionada...
Bueno!
Não perguntem o que acontece quando me sinto assim...


E aí....o que faço com o que quero dizer?
Já dizia Simone de Beuvoir que às vezes a palavra é uma forma mais acertada de se calar do que o silêncio.

E... então...encontrei este poema, lindo...

"Cuide para que teu silêncio
Não te traga marcas
Que emudeça a alma
Calando tão belos momentos
(...)Silenciar é uma arte
Que instiga reflexão
Tal qual palavras de sabedoria,
O silêncio provoca uma ação.
Quem trouxe um dia a poesia,
Poderá destruir um coração????
Cuide para que teu silêncio de agora
Não se transforme depois
Em grandes e tristes ecos de dor....
Pois Jamais haverá vitória,
Na derrota do Amor....
Seja sábio ao silenciar
Pois poderá escutar, esses brados do tempo:
_ Minha voz é calma e suave...
Mas não queira ouvir o meu silêncio....
............................É ensurdecedor!!!!!!"

(Rose Felliciano)

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Pós ensaio...

Nosso ensaio de hoje: de 19h30min às 22h

Manfredo, nosso Maestro, fez 1 minuto de silêncio em homenagem ao Maestro Gerling, falecido ontem. Deixou grandes recordações, não é fácil fazer música em Porto Alegre, no RS, no Brasil.
Organizar obras que envolvem um calhamaço de gente como o Maestro Gerling fazia com sua equipe: figurino, cenário, solistas, coro, orquestra, dentro de uma Universidade, tem um valor que só será visto dentro dos corações de quem acompanha toda essa empreitada ao vivo e a cores. Sim, porque trabalho de músico é silencioso e velado. O que aparece é o conjunto de grandes obras, mas o que é feito para que tudo aconteça fica nos bastidores. Aliás, "bastidores" : um espaço encantador, dá um frio no estômago, bate uma ansiedade, sobe uma adrenalina que faz com que tudo dê certo.

Cantar a nona Sinfonia é inexplicável. Já a cantamos, vários de nós, muitas vezes, mas...nosso amigo Beethoven foi de uma felicidade e de uma sensibilidade santificada pelos anjos do ceu.

Sempre, nas perdas, nos ganhos, nos entremeios disso...FREUDE!!

Para o Maestro Frederico Gerling:

Brüder, über'm Sternenzelt
Muß ein lieber Vater wohnen.
Ihr stürzt nieder, Millionen?
Ahnest du den Schöpfer, Welt?
Such' ihn über'm Sternenzelt!
Über Sternen muß er wohnen
(O Criador mora acima do Ceu estrelado, sobre as estrelas)

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

!!!!

O ser humano está em crise. A sociedade hoje está em crise. Na real, a Ciência (a verdade, o poder) está em crise. Muito bem, que beleza de conclusão. E? Faz-se o quê ao concluírmos isso? Bem, sabemos que precisamos continuar vivendo, trabalhando, nos relacionando, convivendo com e na crise da forma que nos é possível. Nesse cenário de jovens perdidos no que pensam e falam, de mulheres que ainda sentem medo de mudanças, de homens que ainda pensam que a sociedade continua máscula, fico estarrecida com determinadas situações que assisto, que ouço e não  me é possível ajudar.
Hoje tive a confirmação de que essas pessoas são realmente felizes ao viverem nesse cenário catastrófico de "não pensemos, sejamos felizes".
Ao assistir formas de convivência em que só as mágoas aparecem, vejo o quanto sou feliz no trabalho, com meus amigos, no canto, nas conversas com minha filha, nas leituras e leituras, e mais leituras de livros, nas idas ao cinema, nas amizades virtuais, nos momentos especiais cristalizados em fotos...
Nossa! Muita coisa! Ainda bem...

sábado, 13 de novembro de 2010

Já andei anunciando por aí...

Vou-me embora
Embora desse país
Vou morar na Espanha
Ou em Veneza
Que nada...
Em Nova York mesmo

Vou-me embora
Uma vez disse isso
Fui, mas voltei
Não volto mais
Desta última vez

Meu piano

Algumas vezes que passo pelo piano, na sala, o olho...e passo
Algumas vezes que passo pelo piano, na sala, o abro e ensaio tocá-lo mais uma vez

Outras vezes que passo pelo piano, na sala, ele me chama mas...não, melhor não

Hoje passei pelo piano, na sala, o olhei, o abri e...toquei, mas...

Chorei

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Será?

Será que esquecer é a cura
Para a aflição da procura
Pelo sonho que se vela
Num olhar que vai embora?

Como dizia a terra
Com sua voz de silêncio
Para o tormento de Juca Mulato
Digo prá mim, agora:

"Tu queres esquecer? 
Não fujas ao tormento.
Só por meio da dor 

Se alcança o esquecimento."

"Cartas a um jovem Terapeuta" - Contardo Calligaris

Doutor em Psicologia clínica, italiano, vive na ponte aérea NY - SP e colunista da Folha de S.Paulo, claro, é o autor deste livro que vos apresento. Esclarecido de forma clara no título, trata-se de cartas escritas para jovens que desejam ser profissionais na área da psicoterapia.
Não me vejo nessa função. 
Primeiro por não ser tão jovem ao ponto de não saber muito bem o que quero e segundo, por saber exatamente o que quero. Sofro de claustrofobia. Consultório é um local apavorante...Além disso, a sociedade precisa de uma atuação mais direta, pontual, nas comunidades, nas escolas, nos grandes grupos.
Bom, mas voltemos ao assunto principal.
Logo ao iniciar a leitura do exemplar comprado na estante virtual, percebi uma certa (profunda, na real) preocupação do autor quanto ao desempenho destes jovens que pensam, gostam, ou de leve, ao passarem os olhos sobre as páginas de uma revista de autoajuda, interessam-se por essa área profissional. Esclarece de forma contundente que para ser Psicoterapeuta é uma questão de "nascer para", ter determinadas características quase que inatas (lembro-me aqui de certas passagens de minha história de vida em que muito ouvia: nasceu para ser músico...nasceu para ser uma grande artista). Como dizia um grande professor: Tudo "Bullshit". O Grande Maestro Eleazar de Carvalho conheceu e ouviu música erudita pela primeira vez aos 17 anos de idade. Foi um dos grandes nomes da música erudita no Brasil.

Algumas ideias no livro do Contardo são interessantes, que configuram um 'estilo' em Psicologia como: 
* A psicoterapia, para acontecer na direção da obtenção da cura por parte do paciente, deverá apoiar-se nas palavras trocadas, no diálogo entre paciente e psicoterapeuta e nas relações que a partir disso se construam. Esses vínculos e a forma como serão construídos são importantíssimos para que a confiança, o respeito e a cumplicidade conduzam o processo de obtenção (ou não) de cura de maneira saudável, ou melhor, desde que não o piore...está ótimo.
* O autoconhecimento por parte do psicoterapeuta é de extrema importância. Este não deve cristalizar-se em seu conhecimento já adquirido. O autor sugere que constantemente deva perguntar-se: "Em que, nesse caso, poderia eu ser um auxílio ao paciente?"
*  O paciente alimentará, durante o  processo terapêutico, sentimentos variados com relação ao psicoterapaeuta, porém o sentimento de confiança (mútua) que, por um lado é excelente para chegar no caminho da cura, e por outro é imprescindível ter consciência dos limites desse vínculo para que as relações entre ambos não se mantenham eternas, prolongando desnecessariamente (e aqui podem entrar sérias questões éticas) o processo terapêutico.
*  Importante vislumbrar que a postura de um terapeuta deve ser de curiosidade e ao mesmo tempo sem prévios julgamentos (nem póstumos...), pelas situações expostas. O autor evidencia situações consideradas polêmicas na sociedade em que vivemos e que comumente são trazidas no tratamento, sendo assim, o psicoterapeuta precisa desvestir-se de preconceitos totalmente, sendo esta uma atitude que venha a fazer parte de sua vida, para sempre.


Todo fazer profissional está ligado ao fazer político-social, mesmo que desconhecido seja para quem o exerça. Por incrível que pareça, torna-se hoje imprescindível esclarecer alguns aspectos apresentados no livro que provavelmente para tantos que o leram, e neste momento para mim, soaram óbvios no então fazer psicoterápico.
É sabido que em todas as áreas, os jovens experimentam um pouco daqui, um pouco dali, esquecendo a responsabilidade profissional, esquecendo o comprometimento social e, neste caso, o comprometimento ético-profissional com relação a saúde de seres humanos. Talvez os jovens pensem que possa ser fácil  ser um psicanalista, já que se trata de escutar e falar de vez em quando, assim como devem achar que deva ser fácil ser professor, pois é só “passar” o conhecimento que já existe em algum livro.  Até aqui tudo bem. Mas, nas entrelinhas há uma generalização de que para todo o jovem que não possui determinadas características delineadas por ele (o autor), "é aconselhável" eleger outra área de atuação.
Não concordo.
Durante a leitura tive a sensação de estar folheando um tipo de “manual” que mostra dificuldades, problemas, satisfações e questões a respeito do lado financeiro-profissional, além de compensações pessoais que são possíveis de se obter com a escolha da profissão de psicoterapeuta.

dualidade

"Gostaria de saber um jeito de inventar a vida sem perdas ou ganhos."

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Pedaços de letras 2

"Eu hoje acordei tão só
Mais só do que eu merecia
Olhei pro meu espelho e ah....
Gritei o que eu mais queria
Na fresta da minha janela
Raiou, vazou a luz do dia
Entrou sem me pedir licença
Querendo me servir de guia
Na fresta da minha janela
Raiou, vazou a luz do dia
Entrou sem me pedir licença
Querendo me servir de guia"

Ainda bem que sempre não é todo dia!

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Tenho ensaiado há um tempo já escrever para minha amiga, como agora estou tentando fazer. Hoje não consigo evitar, preciso desesperadamente sublimar o que estou a sentir.
Encontrei sua filhota e seu marido, pela primeira vez depois que sua vida aqui acabou. Fomos na ópera, claro, uma tragédia daquelas bem italianas. Linda, mas sobre as impossibilidades do Amore, portanto, alguns dirão, triste.
Com isso muitas outras coisas acabaram entre nós também, momentos de alegrias, de conversas, de ensaios, de canções entoadas a duas vozes na frente de quem quer que fosse e as meninas dizendo: "- Ai mães! Parem com isso..."

Ainda não consegui sentir saudade dela...A tristeza não deixa espaço.

Beth, minha querida Beth!
Ainda preciso conversar contigo, ainda preciso cantar contigo...Ainda preciso...Ainda

Sabe...Tua filha está linda, está indo bem no colégio. Gostaria de vê-la mais seguido, mas lembra como falávamos em tempo, tempo, tempo...Essa palavra absurda que nos impede de fazermos o que sonhamos.
Tá bom...Já sei o que vais me dizer...Temos que usá-lo a nosso favor.

Esse tempo que passa, desde que não te vejo mais, é muito cruel...Tínhamos nossas desavenças, nossas formas de ver as situações diferente, mas acabávamos concordando uma com a outra, e assim íamos levando.

Como estás aí, não sei onde?
É bom? É melhor que aqui? Bom, do jeito que a Terra está, a sociedade, as pesoas, sei lá...sempre tive essas dúvidas. Tu já não tens, pelo menos essas...
Ah! Já ia esquecendo...Recebi o DVD do Requiem de Brahms, aquele que pela última vez viste o coro cantar, lá na Igreja São Pedro. Ficou bom até...Gostei!

Um beijo, Beth!

sábado, 6 de novembro de 2010

Nona Sinfonia - Beethoven "Ode à Alegria"

O Freunde, nicht diese Töne!
Sondern laßt uns angenehmere
anstimmen und freudenvollere.
Freude! Freude!
Freude, schöner Götterfunken
Tochter aus Elysium,
Wir betreten feuertrunken,
Himmlische, dein Heiligtum!
Deine Zauber binden wieder
Was die Mode streng geteilt;
Alle Menschen werden Brüder,
Wo dein sanfter Flügel weilt.
Wem der große Wurf gelungen,
Eines Freundes Freund zu sein;
Wer ein holdes Weib errungen,
Mische seinen Jubel ein!
Ja, wer auch nur eine Seele
Sein nennt auf dem Erdenrund!
Und wer's nie gekonnt, der stehle
Weinend sich aus diesem Bund!
Freude trinken alle Wesen
An den Brüsten der Natur;
Alle Guten, alle Bösen
Folgen ihrer Rosenspur.
Küsse gab sie uns und Reben,
Einen Freund, geprüft im Tod;
Wollust ward dem Wurm gegeben,
Und der Cherub steht vor Gott.
Froh, wie seine Sonnen fliegen
Durch des Himmels prächt'gen Plan,
Laufet, Brüder, eure Bahn,
Freudig, wie ein Held zum Siegen.
Seid umschlungen, Millionen!
Diesen Kuß der ganzen Welt!
Brüder, über'm Sternenzelt
Muß ein lieber Vater wohnen.
Ihr stürzt nieder, Millionen?
Ahnest du den Schöpfer, Welt?
Such' ihn über'm Sternenzelt!
Über Sternen muß er wohnen.
*****************************
Ó, amigos, mudemos de tom!
Entoemos algo mais prazeroso
E mais alegre!
Alegria, formosa centelha divina,
Filha do Elíseo,
Ébrios de fogo entramos
Em teu santuário celeste!
Tua magia volta a unir
O que o costume rigorosamente dividiu.
Todos os homens se irmanam
Ali onde teu doce vôo se detém.
Quem já conseguiu o maior tesouro
De ser o amigo de um amigo,
Quem já conquistou uma mulher amável
Rejubile-se conosco!
Sim, mesmo se alguém conquistar apenas uma alma,
Uma única em todo o mundo.
Mas aquele que falhou nisso
Que fique chorando sozinho!
Alegria bebem todos os seres
No seio da Natureza:
Todos os bons, todos os maus,
Seguem seu rastro de rosas.
Ela nos deu beijos e vinho e
Um amigo leal até a morte;
Deu força para a vida aos mais humildes
E ao querubim que se ergue diante de Deus!
Alegremente, como seus sóis voem
Através do esplêndido espaço celeste
Se expressem, irmãos, em seus caminhos,
Alegremente como o herói diante da vitória.
Abracem-se milhões!
Enviem este beijo para todo o mundo!
Irmãos, além do céu estrelado
Mora um Pai Amado.
Milhões se deprimem diante Dele?
Mundo, você percebe seu Criador?
Procure-o mais acima do Céu estrelado!
Sobre as estrelas onde Ele mora!
...eram paisagens tão lindas
tão perto de Deus parecíamos
tudo era tão alto e longe

Acho que foi um sonho

...

e...acho que já esqueceu

Sim...
o Rio de janeirocontinua lindo

Saudades

Tem sido constante
Esta doida saudade
Que bate desde o "de vez em quando"
Ao sempre, de todo dia...

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Confissão ou desabafo

Hoje, o dia foi assim:
Quente, cansativo.
Não que eu queira ver só o lado não tão bom
do dia, não.
É que realmente, depois de chorar muito,
mas ainda não o suficiente, daqui há pouco vou chorar de novo,
por sentir-me incapaz diante da realidade social
que nos cerca, que nos engole sem a devida mastigação,
tentei ser ponderada, poupando minha filha de escândalos desnecessários;
tentei ser fria ao ponto de ignorar o que sabia que estava acontecendo;
tentei entender quem estava mentindo, contando o maior
conto de fadas que possa vir a existir;
tentei...fiquei pior do que estava quando cheguei em casa.
Fui invadida de tal forma que nãoo conseguirei esquecer tão fácil.
Tentei sublimar, ligando, conversando, vivendo uma ilusão de:
-Ah! Muito bem! Consegui resolver...
Que nada!
Deixei o carro num estacionamento (Estapar, 24 de outubro, espaço que atende o Flar Molinos Business), para levar minha filha ao dentista pertinho dali.
Quando cheguei, me avisam que o alarme disparou e tiveram que tirar um fusível
para pará-lo. E eu acreditei...
Mereço mesmo.
Levaram um cheque assinado. Liguei para sustá-lo, pois não é que em menos de
meia hora já haviam descontado o tal...
Beleza. Ruminei, mas aguentei..
Agora...
Aqui estou com minha raiva,
com uma tristeza indescritível, por mim e pela sociedade que minha filha vive
e continuará a viver mais tempo que eu, e chorando...de novo...
caramba, detesto chorar assim.

Ok! Parabéns para minha burrice!
Parabéns para minha ingenuidade!
Parabéns para a sociedade,
estou completamente cética quanto a acreditar
em qualquer coisa hoje, seja relativo
ao amor, às paixões, às amizades,
duvido....até de que estou aqui...
agora...
Não quero mais viver de ilusões,
pelo menos até amanhã...
‎"Os livros são os mais silenciosos e constantes amigos, os mais acessíveis e sábios conselheiros, e os mais pacientes professores." (Charles W. Elliot)

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Pedaços de letras 1

...Olha lua mansa se derramar
Ao luar descansa o meu caminhar
 
Meu olhar em festa se fez feliz
Lembrando a seresta que um dia eu fiz...
 
Já me fiz a guerra por não saber
Que essa terra encerra o meu bem querer
 
E jamais termina o meu caminhar
Só o amor me ensina onde vou chegar...

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Uma taça
Um vinho
Um olhar
Um carinho

Uma Lua
Uma estrela
Uma música
Uma lareira

...Um sonho...

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Hoy estoy....mañana, no lo sé...

Nuestra vida es construída por momentos. Momentos estos especiales, alegres o tristes, que aparecen de la nada, pero hacen nuestra historia. El ahora soy yo, no sé nada sobre el próximo minuto.
Por que digo eso? Porque me lo aprendí así. Porque perdi personas por miedo, por mantener una imagen, por todo y, en realidad, por nada. Nos perdemos por el camino cuando deseamos algo que nó puede ser. 
Es así en el trabajo, en las amistades, en los amores...
Perdí momentos que mucho los queria y los deseaba haber vivido, pero fué mia la decisión. Sufre el corazón, sufre la mente. Nunca tuve miedo de sufrir. Siempre supe que para amar hay que luchar, hay que buscar, no es tan fácil así. Creo que por eso nos escapamos unos de los otros. Todo lo que empieza fácil, facilmente se va con el viento, pues al estar vacio de intenso amor no pesa, se vá...lejos y para siempre.
Por otro lado, ya tuve la felicidad de al Tiempo pararlo,  por momentos en los cuales fuí feliz: un abrazo - una mirada profunda - una sonrisa irresistíble - al tener mi hija - al verla empezar a caminar sin mi ayuda - al verla hablando...leyendo...cantando...llorando. Cuando canto...el Tiempo nó tiene fuerza suficiente para vencer la música. 
Estos todos son momentos que me hicieron feliz.
Hoy, ahora, estoy aqui...mañana...no lo se...
Quien lo sabe?

domingo, 31 de outubro de 2010

Quem não tem essa dúvida?

foto de mafalda_tiras em 13/10/10

Aos olhos da saudade como o mundo é pequeno. (Charles Baudelaire)

É madrugada e cá estou, com minhas lembranças e minha saudade.

A Literatura ajuda a sublimar as tristezas, deixando o coração um pouco, ao menos, mais tranquílo.


"Fechei os olhos para não te ver
e a minha boca para não dizer...
E dos meus olhos fechados desceram lágrimas que não enxuguei,
e da minha boca fechada nasceram sussurros
e palavras mudas que te dediquei..."

(MQ)


"As pessoas têm estrelas que não são as mesmas. Para uns, que viajam, as estrelas são guias. Para outros, elas não passam de pequenas luzes. Para outros, os sábios, são problemas. Para o meu negociante, eram ouro. Mas todas essas estrelas se calam. Tu porém, terás estrelas como ninguém... Quero dizer: quando olhares o céu de noite, (porque habitarei uma delas e estarei rindo), então será como se todas as estrelas te rissem! E tu terás estrelas que sabem sorrir! Assim, tu te sentirás contente por me teres conhecido. Tu serás sempre meu amigo (basta olhar para o céu e estarei lá). Terás vontade de rir comigo. E abrirá, às vezes, a janela à toa, por gosto... e teus amigos ficarão espantados de ouvir-te rir olhando o céu. Sim, as estrelas, elas sempre me fazem rir!"

" Será como a flor. Se tu amas uma flor que se acha numa estrela, é doce, de noite, olhar o céu. Todas as estrelas estão floridas."

" Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós."

Tempo, de sempre e para todo o sempre.

Sei que nossos atritos (entre o Tempo e eu) são muitos, mas é que sua intransigência me tira do sério.
Pô bixo-tempo, colabora...

Dé-me um tempo para plantar uma rosa, ajudá-la a crescer e entregá-la ao mundo.
O mundo precisa de rosas para ser mais feliz!

sábado, 30 de outubro de 2010

Caio Fernando Abreu

´Esperar dói. 
Esquecer dói. 
Mas não saber se deve esperar ou esquecer é a pior das dores.´´

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Hoje a vida passou por mim

Hoje a vida passou por mim
Não esperou
Foi rápida demais
Tentei chamá-la
Mas...
Não olhou prá trás...

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

In My Daughter's Eyes Martina McBride

In my daughter's eyes,
Nos olhos da minha filha,
I am a hero,
Eu sou uma heroína
I am strong and wise,
Sou forte, sábia,
And I know no fear,
E não temo a nada,
But the truth is plain to see,
Mas a verdade é cristalina,
She was sent to rescue me,
Ela foi enviada para me resgatar,
I see who I wanna be,
Eu vejo quem eu quero ser,
In my daughter's eyes
Nos olhos da minha filha.

In my daughter's eyes,
Nos olhos da minha filha,
Everyone is equal,
Todos são iguais,
Darkness turns to light,
A escuridão se torna luz,
And the world is at peace,
E o mundo está em paz,
This miracle god gave to me,
Este milagre que Deus me deu,
Gives me strength when I am weak,
Me dá forças quando estou fraca,
I find reason to believe,
Encontro motivos para acreditar,
In my daughter's eyes
Nos olhos da minha filha.

And when she wraps her hand around my finger,
E quando ela enrosca sua mão pelos meus dedos,
How it puts a smile in my heart,
Ah, um sorriso brota em meu coração,
Everything becomes a litte clearer,
Tudo fica mais claro,
I realize what life is all about,
Eu percebo do que a vida se trata,
It's hanging on when your heart is had enough,
É aguentar quando seu coração já sofreu bastante,
It's giving more when you feel like giving up,
É dar mais quando você pensa em desistir,
I''ve seen the light,
Eu vi a luz,
It's in my daughter's eyes
Nos olhos da minha filha.

In my daughter's eyes,
Nos olhos da minha filha,
I can see the future,
Posso ver o futuro,
A reflection of who I am and what will be,
Um reflexo do que sou e do que serei,
And though she'll grow and someday leave,
Apesar de ela crescer e um dia partir,
Maybe raise a family,
Talvez ter sua própria familia,
When i'm gone I hope you see,
Quando eu partir, espero que você veja,
How happy she made me,
Como ela me fez feliz,
For i'll be there,
Porque eu estarei lá,
In my daughter's eyes
Nos olhos da minha filha

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

"É o que me interessa" - Liiiinda canção do Lenine

Daqui desse momento
Do meu olhar pra fora
O mundo é só miragem
A sombra do futuro
A sobra do passado
Assombram a paisagem.
Quem vai virar o jogo
E transformar a perda
Em nossa recompensa
Quando eu olhar pro lado
Eu quero estar cercado
Só de quem me interessa.
Às vezes é um instante
A tarde faz silêncio
O vento sopra a meu favor
Às vezes eu pressinto e é como uma saudade
De um tempo que ainda não passou
Me traz o seu sossego
Atrasa o meu relógio
Acalma a minha pressa
Me dá sua palavra
Sussurra em meu ouvido
Só o que me interessa.
A lógica do vento
O caos do pensamento
A paz na solidão
A órbita do tempo
A pausa do retrato
A voz da intuição
A curva do universo
A fórmula do acaso
O alcance da promessa
O salto do desejo
O agora e o infinito
Só o que me interessa.

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

ATRITOS (Roberto Crema)

 (Recebi de uma amiga...gostei...talvez por identificar-me...sei lá. Aí está, para não esquecer)

Ninguém muda ninguém;
ninguém muda sozinho;
nós mudamos nos encontros.

Simples, mas profundo, preciso.
É nos relacionamentos que nos transformamos.
Somos transformados a partir dos encontros,
desde que estejamos abertos e livres
para sermos impactados
pela idéia e sentimento do outro.

Você já viu a diferença que há entre as pedras
que estão na nascente de um rio,
e as pedras que estão em sua foz?

As pedras na nascente são toscas,
pontiagudas, cheias de arestas.

À medida que elas vão sendo carregadas
pelo rio sofrendo a ação da água
e se atritando com as outras pedras,
ao longo de muitos anos,
elas vão sendo polidas, desbastadas.

Assim também agem nossos contatos humanos.
Sem eles, a vida seria monótona, árida.
A observação mais importante é constatar
que não existem sentimentos, bons ou ruins,
sem a existência do outro, sem o seu contato.
Passar pela vida sem se permitir
um relacionamento próximo com o outro,
é não crescer, não evoluir, não se transformar.

É começar e terminar a existência
com uma forma tosca, pontiaguda, amorfa.
Quando olho para trás,
vejo que hoje carrego em meu ser
várias marcas de pessoas
extremamente importantes.

Pessoas que, no contato com elas,
me permitiram ir dando forma ao que sou,
eliminando arestas,
transformando-me em alguém melhor,
mais suave, mais harmônico, mais integrado.
Outras, sem dúvidas,
com suas ações e palavras
me criaram novas arestas,
que precisaram ser desbastadas

Faz parte...
Reveses momentâneos
servem para o crescimento.
A isso chamamos experiência.
Penso que existe algo mais profundo,
ainda nessa análise.
Começamos a jornada da vida
como grandes pedras,
cheia de excessos.

Os seres de grande valor,
percebem que ao final da vida,
foram perdendo todos os excessos
que formavam suas arestas,
se aproximando cada vez mais de sua essência,
e ficando cada vez menores, menores, menores...

Quando finalmente aceitamos
que somos pequenos, ínfimos,
dada a compreensão da existência
e importância do outro,
e principalmente da grandeza de Deus,
é que finalmente nos tornamos grandes em valor.

Já viu o tamanho do diamante polido, lapidado?
Sabemos quanto se tira
de excesso para chegar ao seu âmago.

É lá que está o verdadeiro valor...
Pois, Deus fez a cada um de nós
com um âmago bem forte
e muito parecido com o diamante bruto,
constituído de muitos elementos,
mas essencialmente de amor.
Deus deu a cada um de nós essa capacidade,
a de amar...
Mas temos que aprender como.

Para chegarmos a esse âmago,
temos que nos permitir,
através dos relacionamentos,
ir desbastando todos os excessos
que nos impedem de usá-lo,
de fazê-lo brilhar

Por muito tempo em minha vida acreditei
que amar significava evitar sentimentos ruins.
Não entendia que ferir e ser ferido,
ter e provocar raiva,
ignorar e ser ignorado
faz parte da construção do aprendizado do amor.

Não compreendia que se aprende a amar
sentindo todos esses sentimentos contraditórios e...
os superando.
Ora, esse sentimentos simplesmente
não ocorrem se não houver envolvimento...

E envolvimento gera atrito.
Minha palavra final: ATRITE-SE!

Não existe outra forma de descobrir o amor.
E sem ele a vida não tem significado. 
Sou assim
Penso
Tento
Invento


Tenho medo
Sozinha
Choro aos prantos
Canto...

sábado, 23 de outubro de 2010

Sí, por supuesto...Toquinho sabe das coisas

"Hay días que no se lo que me pasa
Eu abro meu Neruda e apago o sol
Misturo poesia com cachaça
e acabo discutindo futebol

(É...Tem dias que temos que cumprir determinadas obrigações sociais e isso me incomoda demais. Acabo confundindo tudo. Sem problemas. Como sempre tenho meu amigo O TEMPO.)

Mas não tem nada, não
(Ainda bem que eu)
Tenho meu violão

Às vezes quero crer, mas não consigo,
é tudo uma total insensatez
Aí pergunto a Deus: "Escute, amigo,
se foi pra desfazer por que é que fez?"

(Crer...Tá bom...
Creio numa Educação para todos, sem exceção. É assim? Não!
Creio num mundo melhor para minha filha. Será assim? Provavelmente, Não!
Creio na possibilidade infinita da amizade. Difícil de encontrar.

Na Real...Tá difícil de crer em alguma coisa...)

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Na multidão,
Por vezes parece maior a nossa solidão.

Cruzamo-nos sem nos ver,
Tocamo-nos sem sentir,
E se um de nós desaparecer,
Ninguém se preocupará em conferir.

Na multidão,
Por vezes parece maior a nossa exaltação.

Atropelamo-nos sem parar,
Ofendemo-nos sem perceber,
E se um de nós começar a gritar,
Todos, o mais forte, quererão ser.

Na multidão,
Deveria ser maior a nossa união.

Respeitarmo-nos sem julgar,
Conhecermo-nos sem esconder,
E se um de nós tropeçar,
Todos, em solidariedade, ajudá-lo a se erguer.
(Angela Lopes)

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Nada tenho de qualquer coisa
Tenho apenas o ontem
Que no hoje se transformou

Amanhã?
Ah...esse é difícil

Amanhã tenho meus sonhos
...Só no amanhã...

Preciso aprender a escrever como Rita Apoena...

".... O que o mundo precisa é de um exército de gente feliz, capaz de doar um pouco de si e do que sabe, capaz de fazer a diferença na vida de algumas pessoas.
Meus braços não são do tamanho do mundo, mas foram feitos no tamanho exato de abraçar alguém...."

sábado, 16 de outubro de 2010

Quando se ouve boa música fica-se com saudade de algo que nunca se teve e nunca se terá.

Quando comecei a estudar a música de todos os tempos assustei-me com a precisão da análise e crítica feitas sobre algo que ppara mim surgia da pprópria vida. Percebi, depois de um bom tempo dentro da Academia que, sim, aprendemos a analisar, a fazer da técnica nosso instrumento principal, muitas vezes substituindo o próprio instrumento musical, aprendemos a compartimentar o que ouvimos, a separar o que deve ser ouvido por estudantes de música e o que não, aprendemos a segregar a realidade para então fazermos música. Que bela forma de fazer música.

Nunca consegui separar a música da Poesia, tampouco compositor alguma de todos os Tempos. Óperas, Sinfonias, Poemas Sinfônicos, Música de Câmara, seja o que for...
Pois hoje estou feliz, leio meu mais amado professor, Celso Loureiro Chaves, e sinto que a Poesia faz parte de sua vida. No começo não achava, viu professor?

"MAS SÃO OS BRAÇOS INVISÍVEIS
E SÃO OS CANTOS QUE NÃO SÃO
E OS INCENSÓRIOS DE OUTROS NÍVEIS
QUE VÊ E OUVE O CORAÇÃO."

F.P.

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Quiero escribir porque necesito
necesito escribir porque me cura
Cuido de mis amigos y de quienes nó lo son

No importa!

llegué cansada y preocupada
Creo que estoy mareada
Idiomas y dialéctos diferentes
Así como las emociones són dificiles de compreender

Todos quieren resultados, que sé yo porquê.
pero hoy pasaré pensando en eso.
Espero dormir
Caramba!!!!
Para onde vamos, se só pensamos, sem atingir absolutamente resposta alguma?

Lugar nenhum.

Quem cativa do jeito que podemos chamar de certo, já que alcança o resultado desejado, estará feliz consigo mesmo.

Quem nem pensa em cativar, que fique aos desleixos de uma sorte inexistente.

Palavras para hoje até quando tudo passar:

encontro
alegrias
inusitado
saudade
cansada
julgamento
distanciamento
aproximação
tentações
conhecimento
amizade
cuidar
melindres
ofensas
mágoa
despedidas


PERDÃO. Sou de um jeito que se não fosse assim, já não existiria mais

terça-feira, 5 de outubro de 2010

A VIDA - Poema lírico-juvenil - Emile Brontë

A vida, acredita, não é um sonho
Tão negro quanto os sábios dizem ser.
Frequentemente uma manhã cinzenta
Prenuncia uma tarde agradável e soalhenta.

Às vezes há nuvens sombrias
Mas é apenas em certos dias;
Se a chuvada faz as rosas florir
Ó porquê lamentar e não sorrir?

Rapidamente, alegremente
As soalhentas horas da vida vão passando
Agradecidamente, animadamente
Goza-as enquanto vão voando.

E quando por vezes a Morte aparece
E consigo o que de Melhor temos desaparece?
E quando a dor se aprofunda
E a esperança vencida se afunda?

Oh, mesmo então a esperança há-de renascer,
Inconquistável, sem nunca morrer.
Alegre com a sua asa dourada
Suficientemente forte para nos fazer sentir bem
Corajosamente, sem medo de nada
Enfrenta o dia do julgamento que vem.
Porque gloriosamente, vitoriosamente
Pode a coragem o desespero vencer.

Emile Bronte, 1818-48, escritora inglês, Life

Eu não existo sem você

Eu sei e você sabe, já que a vida quis assim
Que nada nesse mundo levará você de mim
Eu sei e você sabe que a distância não existe
Que todo grande amor
Só é bem grande se for triste
Por isso, meu amor
Não tenha medo de sofrer
Que todos os caminhos
Me encaminham pra você

Assim como o oceano
Só é belo com luar
Assim como a canção
Só tem razão se se cantar
Assim como uma nuvem
Só acontece se chover
Assim como o poeta
Só é grande se sofrer
Assim como viver
Sem ter amor não é viver
Não há você sem mim
Eu não existo sem você

Vinícius de Moraes

domingo, 3 de outubro de 2010

"Todas as criaturas são escravas do pensamento;
Por isso é que tem o coração triste e sofrem tanto."

Quando o dia amanhece, a noite foge.

Tento aproximar-me e acho que não sou bem-vinda mais.
O silêncio tem sido a ordem da semana.
Não sei mais como fazer.
Sinto o abraço em mim, ainda.

Mas...hoje percebi que é puro sonho, fantasia.

Meu coração de criança não tem jeito, não aprende.

sábado, 25 de setembro de 2010

A Verdade (Carlos Drummond de Andrade)

A porta da verdade estava aberta,
Mas só deixava passar
Meia pessoa de cada vez.
Assim não era possível atingir toda a verdade,
Porque a meia pessoa que entrava
Só trazia o perfil de meia verdade,
E a sua segunda metade
Voltava igualmente com meios perfis
E os meios perfis não coincidiam verdade...
Arrebentaram a porta.
Derrubaram a porta,
Chegaram ao lugar luminoso
Onde a verdade esplendia seus fogos.
Era dividida em metades
Diferentes uma da outra.
Chegou-se a discutir qual
a metade mais bela.
Nenhuma das duas era totalmente bela
E carecia optar.
Cada um optou conforme
Seu capricho,
sua ilusão,
sua miopia.

Poema de Sete Faces (Carlos Drummond de Andrade)

Quando nasci, um anjo torto
desses que vivem na sombra
disse: Vai, Carlos! ser gauche na vida.

As casas espiam os homens
que correm atrás de mulheres.
A tarde talvez fosse azul,
não houvesse tantos desejos.

O bonde passa cheio de pernas:
pernas brancas pretas amarelas.
Para que tanta perna, meu Deus, pergunta meu coração.
Porém meus olhos
não perguntam nada.

O homem atrás do bigode
é sério, simples e forte.
Quase não conversa.
Tem poucos, raros amigos
o homem atrás dos óculos e do bigode.

Meu Deus, por que me abandonaste
se sabias que eu não era Deus
se sabias que eu era fraco.

Mundo mundo, vasto mundo,
se eu me chamasse Raimundo
seria uma rima, não seria uma solução.
Mundo mundo vasto mundo,
mais vasto é meu coração.

Eu não devia te dizer
mas essa lua
mas esse conhaque
botam a gente comovido como o diabo.

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

SAUDADE

Tens saudade?
Eu tenho

Do quê?
Do que não aconteceu

Então, por quê?
Porque doi o coração

Consegues dizer?
Não.

Como vai ser?
Só tempo que sabe



Aqui estou.
Perdida em mim
Perdida por aqui
Perdida no tempo feito desalento
Que tarda em passar
Que teima em ficar
Quem me toma em desencanto…
As horas prolongam-se pelo infinito e o dia,
Veste-se do vazio da falta de Ti
E Tu não estás…
Não estás aqui
Mas eu estou…
Perdida nesta saudade
Que me leva a vontade
Que me aparta de mim
Aqui estou Amor, perdida
No labirinto desta saudade de Ti…

terça-feira, 14 de setembro de 2010

"Tu és pó e ao pó reverteres"

Vou-me embora
Prá longe de mim mesmo
Quero fugir de tudo e de todos
Ninguém que conheço
Compreende o que é possível

Puxa, o que fazem os neurônios das pessoas?
Cansei de mim e de todos
É melhor que me esqueçam
Até minhas amigas
Faça-me a gentileza de não perguntarem seja o que for
De não julgarem os sentimentos dos outros
Sejam, por favor educadas
Mesmo que não sejam com vocês

Gostaria, neste momento, de conversar
Com alguém que não está aqui
E que também nunca estará
Essa pessoa não existe

Estou triste, não espero mais
Sempre fui só
Só, eternamente serei

Sou pó...

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Como se faz?

Falam muito de Paixão por aí.
Só quem a sente pode falar sobre, se é que é possível.
O engraçado de tudo isso é que sempre nos apaixonamos por pessoas impossíveis, comigo é assim. Sempre me pergunto: Oras, nunca...Sei que não me vê como eu vejo, ninguém sente como eu sinto. Se fosse assim, a paixão deveria acontecer, mesmo que fosse prá acabar. Muitas vezes vi amigas que ao estarem sempre apaixonadas por alguém diferente, quando insistem e forçam situações para uma conversa, se desiludem, até com elas prórpias. A espera é tão grande antes que no momento face to face, se frustram.
Tenho medo disso. Por isso acho que fugir ou não tomar atitudes mais comprometedoras e apressadas é a melhor escolha. mesmo que o coração bata forte, não deixe dormir, não deixe sequer pensar que precisas trabalhar...

Chega uma hora que não ouvimos mais o que nos aocntece ao redor, não sabemos mais o que temos a fazer, não estudamos, dizem até que emagrecemos quando nos apaixonamos.
É, pode ser...

Hoje, depois de uma certa idade e experiência nas relações de trabalho, nas relações de amizades, poucas que sejam, a ligação e a compreensão sobre Tempo, muda.
Por certo que ele passa e não para, mas não temos tanta ansiedade (eu tento não ter, pelo menos). O cuidado com tudo é maior para que as decepções fiquem mais distantes.
Só que quando estamos apaixonados ansiamos por proximidaade. Nunca há a devida correspondência nessa parte. Por isso, cheguei a umja conclusão: Melhor não se apaixonar.

Mas, por favor, alguém me explica como se faz isso??

domingo, 12 de setembro de 2010

Qual é o rumo?

Um sorriso emociona
Quem longe dele possa estar
Um música mobiliza a Alma
De quem friamente a pensa em matar

Um olhar muda o rumo
Da história já escrita
Para no final, depois de tanto sofrer
Pensar em ser feliz
Por um minuto qualquer.

EU

terça-feira, 7 de setembro de 2010

Renato Russo!

"Até bem pouco tempo atrás poderíamos mudar o mundo. Quem roubou nossa coragem? Tudo é dor. E toda dor, vem do desejo de não sentir-mos dor..."

"O amor é bom. não quer o mal.. não sente inveja ou se envaidece."

"Quando me vi tendo de viver comigo apenas e com o mundo...você me veio como um sonho bom e me assustei...Não sou perfeito(a)!"

"preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã, porque se você parar para pensar, na verdade não há."

"Quando tudo nos parecer errado, acontecem coisas boas que não teriam acontecido, se tudo tivesse dado certo."

"Se você quiser alguém pra ser só seu é só não se esquecer estarei aqui"

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Traduzir-se

Uma parte de mim
é todo mundo:
outra parte é ninguém:
fundo sem fundo.

Uma parte de mim
é multidão:
outra parte estranheza
e solidão.

Uma parte de mim
pesa, pondera:
outra parte
delira.

Uma parte de mim
almoça e janta:
outra parte
se espanta.

Uma parte de mim
é permanente:
outra parte
se sabe de repente.

Uma parte de mim
é só vertigem:
outra parte,
linguagem.

Traduzir uma parte
na outra parte
— que é uma questão
de vida ou morte —
será arte?


De Ferreira Gullar
Na Vertigem do Dia (1975-1980)

domingo, 29 de agosto de 2010

"Há um silêncio dentro de mim, e esse silêncio tem sido a fonte de minhas palavras."

...Mas não sou completa,não.
Completa lembra realizada.
Realizada é acabada. Acabada é o que não se renova a cada instante da vida e do mundo. Eu vivo me completando... mas falta um bocado.

Falta sim...
Por isso canto
Por isso escrevo
Por isso amo
e me apaixono o tempo inteiro
por isso preciso de amigos
Eles são a fonte da esperança
a fonte prá acreditar que vale a pena
estarmos vivos.
Por isso.

sábado, 21 de agosto de 2010

era uma vez uns olhos

um dia olhei uns olhos
que do nada
sem ter razão
me olharam com uma interrogação

hoje sonhei com eles
olhos que não saem
da foto gravada
que deixaram em meu coração

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Por que não?

...E desde então, sou porque tu és
E desde então és
sou e somos...
E por amor
Serei... Serás...Seremos...

Pablo Neruda

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Até a Shakira ajuda...

Mil años no me alcanzarán
Para borrarte y olvidar

Y ahora estoy aquí
Queriendo convertir
Los campos en ciudad
Mezclando el cielo con el mar

...

Estoy aquí quierendote
Ahogándome
Entre fotos y cuadernos
Entre cosas y recuerdos
Que no puedo comprender

Estoy enloqueciendome
Cambiándome un pie por la cara mía
Esta noche por el día
Que nada le puedo yo hacer

PROJETO DE PREFÁCIO

Sábias agudezas... refinamentos...
- não!
Nada disso encontrarás aqui.
Um poema não é para te distraíres
como com essas imagens mutantes de caleidoscópios.
Um poema não é quando te deténs para apreciar um detalhe
Um poema não é também quando paras no fim,
porque um verdadeiro poema continua sempre...
Um poema que não te ajude a viver e não saiba preparar-te para a morte
não tem sentido: é um pobre chocalho de palavras.

Mario Quintana

domingo, 15 de agosto de 2010

Mário Benedetti 2 - Por que cantamos?

Si cada hora viene con su muerte
si el tiempo es una cueva de ladrones
los aires ya no son los buenos aires
la vida es nada más que un blanco móvil

usted preguntará por qué cantamos

si nuestros bravos quedan sin abrazo
la patria se nos muere de tristeza
y el corazón del hombre se hace añicos
antes aún que explote la vergüenza

usted preguntará por qué cantamos

si estamos lejos como un horizonte
si allá quedaron árboles y cielo
si cada noche es siempre alguna ausencia
y cada despertar un desencuentro

usted preguntará por que cantamos

cantamos por qué el río está sonando
y cuando suena el río / suena el río
cantamos porque el cruel no tiene nombre
y en cambio tiene nombre su destino

cantamos por el niño y porque todo
y porque algún futuro y porque el pueblo
cantamos porque los sobrevivientes
y nuestros muertos quieren que cantemos

cantamos porque el grito no es bastante
y no es bastante el llanto ni la bronca
cantamos porque creemos en la gente
y porque venceremos la derrota

cantamos porque el sol nos reconoce
y porque el campo huele a primavera
y porque en este tallo en aquel fruto
cada pregunta tiene su respuesta

cantamos porque llueve sobre el surco
y somos militantes de la vida
y porque no podemos ni queremos
dejar que la canción se haga ceniza

sábado, 14 de agosto de 2010

Mário Benedetti

Más de una vez me siento expulsado y con ganas
de volver al exilio que me expulsa
y entonces me parece que ya no pertenezco
a ningún sitio, a nadie.
¿Será en indicio de que nunca más
podré no ser un exiliado?
¿Qué aquí o allá o en cualquier parte
siempre habrá alguien que vigile y piense,
éste a qué viene?
Y vengo sin embargo tal vez a compartir cansancio y vértigo
desamparo y querencia
también a recibir mi cuota de rencores
mi reflexiba comisión de amor
en verdad a qué vengo
no lo sé con certeza
pero vengo.

domingo, 8 de agosto de 2010

Meu Pai!

Meu Pai era um homem inteligente, elegante e envolvente.
Rígido quanto às questões sobre Educação e cidadania.
Conhecia o mundo e queria que eu conhecesse também. Dizia ser a melhor forma de aprender sobre a vida. Sempre lhe dei razão, nunca discordei, mesmo quando brigávamos em Português e Espanhol...Só imaginem o que era...
Tocava o piano como ninguém, e cantava melhor ainda. Sempre dizia que eu desafinava e me explicava como deveria fazer. Era requintado, sabia tudo sobre etiqueta, frequentava ambientes sociais diversos e muitas vezes me levou junto e procurava ensinar-me. Dizia: Mirame y tenés que hacer igual.
Ai...Deus...Que ansiedade era. Achava que não ia conseguir mas sempre dava certo. Andamos por muitos países, minha mãe tinha medo de avião, acabávamos indo só nós. Veneza; Milano; Roma; Paris; NYC; Boston; Madrid; Lisboa; Ilhas Canárias; Todo Uruguay e casi toda Argentina. Brasil, então...
Que saudade de conversar sobre política com ele, sobre filosofia...Como aprendia...
Sempre chega essa época e fico assim...Com saudade do jeito uruguaio de meu pai... Beijo Pai!!

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Ausência

"Não há falta na ausência...Ninguém a rouba mais de mim."
Se Drummond diz, não vou discutir. Já que é tudo o que me resta.
A ausência passa a ser um existir em si mesma, assim, eu a tenho.
Talvez, minha única chance de ser feliz esteja em apenas pensar que sou.

domingo, 1 de agosto de 2010

Fazer Poesia - Rinaldo Pedro

Fazer poesia é brincar,
é voltar a ser criança,
fazer poesia é sonhar,
voar de pijama.

Fazer poesia é dormir acordado,
expressar-se calado,
estar na hora certa, atrasado.

Fazer poesia é andar sem sair,
é chegar sem partir,
é falar sem mentir,
é o côncavo e o convexo...
fazer poesia é o errado dá certo,
quem sabe, é a pureza com o sexo.