quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

(Meu) Anjo

Eu vim prá ser
Seu Anjo
Pra lhe proteger
Do céu de onde eu desci
Eu vim cuidar de você
Você!...
Quem sabe ouvir
Um Anjo
Sabe adivinhar
E ver o caminho
Por onde deve andar...
Sorrir é melhor
Quando soma e traz
Um outro sorriso em alguém
O que você dá
O mal e o bem
Que vai
Mas volta também...
Por isso eu sou
Seu Anjo
Só pra você ver
Por mais que eu seja
Um Anjo
Meu milagre é você...

domingo, 27 de dezembro de 2009

Se te chamasse, te chamaria assim...

Ah meu coração
Coitado
Bate de um jeito
Imensuravelmente só
Apaixonado e nem sabe
Que coração de poeta é assim
Sonha com a inspiração
Que o faz bater
Sonha com a possibilidade
De um dia ter mais perto
Para abraçar e beijar
O dono do jardim de rosas
Onde está a fonte
Que verte a água
interminável
Que sacia a minha vida

sábado, 26 de dezembro de 2009

De Roberto para mim...

"Esqueça..."

Encostar Na Tua - Ana Carolina

Eu quero te roubar pra mim
Eu que não sei pedir nada
Meu caminho é meio perdido
Mas que perder seja o melhor destino
Agora não vou mais mudar
Minha procura por si só
Já era o que eu queria achar
Quando você chama meu nome
Eu que também não sei aonde estou
Pra mim que tudo era saudade
Agora seja lá o que for

Eu só quero saber em qual rua a minha vida vai encostar na tua

E saiba que forte eu sei chegar
Mesmo se eu perder o rumo
E saiba que forte eu sei chegar
Se for preciso eu sumo

Eu só quero saber em qual rua a minha vida vai encostar na tua

Eu quero te roubar pra mim

sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

Oração (Natália Correia)

Creio nos anjos que andam pelo mundo,
Creio na Deusa com olhos de diamantes,
Creio em amores lunares com piano ao fundo,
Creio nas lendas, nas fadas, nos atlantes,

Creio num engenho que falta mais fecundo
De harmonizar as partes dissonantes,
Creio que tudo é eterno num segundo,
Creio num céu futuro que houve dantes,

Creio nos deuses de um astral mais puro,
Na flor humilde que se encosta ao muro,
Creio na carne que enfeitiça o além,

Creio no incrível, nas coisas assombrosas,
Na ocupação do mundo pelas rosas,
Creio que o Amor tem asas de ouro. Ámen.

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Oração ao Natal!

Natal
Espírito que conduz o amor
Ilumine o Sol
Para que não esqueça
Que a Lua precisa
De apenas um raio de luz

Natal
Espírito que conduz a bondade
Permita que o Sol ame a Lua
Mesmo que vivam
Em mundos diferentes

Natal
Espírito que conduz a união
Permita um tempo no tempo do Sol
Que a Lua possa dizer:
Tenho saudade, não me deixa
Na escuridão do universo

Natal
Espírito de solidariedade
O amor que tanto sinto
E não posso compartilhar
Conduz na luz de tua eternidade

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Sol, meu querido!

Sol, meu querido
Será que vais parar
De iluminar o dia
E na noite
De ajudar a Lua a brilhar?

Sol, meu querido
Será que deixarás
O coração do Fá
E o infinito do Lá
Na beira do precipício
Da escala musical?

Sol, meu querido
O universo te chama
O vento te conduz
Sobes para o alto
Não conseguirei mais
Ao menos perto chegar

Sol, meu querido
Saiba que uma rosa
Que uma música
E que um Poema
Um dia voltarão
Àquele abraço
Terminar...


quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Um instante para Fernando Pessoa

Ao longe, ao luar

Ao longe, ao luar,
No rio uma vela,
Serena a passar,
Que é que me revela ?
Não sei, mas meu ser
Tornou-se-me estranho,
E eu sonho sem ver
Os sonhos que tenho.

Que angústia me enlaça ?
Que amor não se explica ?
É a vela que passa
Na noite que fica.

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Melancolia

Num dia
sai o sol
Noutro
cai a chuva

Num dia olhamos
E nada vemos
Noutro falamos
E nada dizemos

Num dia sorrimos
Por quase nada
Noutro choramos
Pelo mundo inteiro

Num dia precisamos
de alguém por perto
Noutro tentamos
Ouvir nosso coração

Hoje é um dia
Que os olhos choram
Pelo dia que, só em sonho,
Trará a lua cheia

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

"Banqueteando..."

...Eros é o mais feliz, o mais formoso e o melhor de todos os deuses.
É jovem, fino e delicado, e só mora em locais floridos e perfumados.
Sobre ele nunca põe as mãos a coação, pois o seu reino é o da vontade pura e livre. Possui todas as virtudes: a justiça, a prudência, a bravura e a sabedoria.
É um grande poeta e ensina os outros a sê-lo.
Desde que Eros pisou o Olimpo, o trono dos deuses passou de terrífico a belo.
Foi ele quem ensinou à maioria dos imortais as suas artes.
Hino capaz de competir com qualquer hino em verso, tanto pelo equilíbrio harmônico da composição como pela sonoridade musical.

Mais um pouquinho...

...Quando acontece encontrar alguém a sua metade verdadeira, de um ou de outro sexo, ficam ambos tomados de um sentimento maravilhoso de confiança, intimidade e amor, sem que se decidam a separar-se, por assim dizer, um só momento...
A saudade desse todo e o empenho de restabelecê-lo é o que denominamos amor.

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Roubado do perfil de uma amiga...

"O amor nos possibilita enxergar lugares do nosso coração que sozinhos jamais poderíamos enxergar...
...Enxergar sonhos que antes eu não saberia ver sozinho. Enxergar só porque o outro me emprestou os olhos, socorreu-me em minha cegueira. Eu possuia e não sabia. O outro me apontou, me deu a chave, me entregou a senha. Os jardineiros sabem disso. Amam as flores e por isso cuidam de cada detalhe, porque sabem que não há amor fora da experiência do cuidado. A cada dia, o jardineiro perdoa as suas roseiras. Sabe identificar que a ausência de flores não significa a morte absoluta, mas o repouso do preparo. Quem não souber viver o silêncio da preparação não terá o que florir depois... Precisamos aprender isso. Olhar e descobrir que as roseiras não dão flores fora do tempo, nem tampouco fora do cultivo. Se não há flores, talvez seja porque ainda não tenha chegado a hora de florir. Cada roseira tem suas regras... Se não há flores, talvez seja porque até então ninguém tenha dado a atenção necessária para o cultivo daquela roseira. A vida requer cuidados. Os amores também. Flores e espinhos são belezas que se dão juntas. Não queira uma só. Elas não sabem viver sozinhas... Quem quiser levar a rosa para sua vida, terá que saber que com ela vão inúmeros espinhos. Mas não se preocupe. A beleza da rosa vale o incômodo dos espinhos...

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Sobre os poetas

Então, quando você me beijar,
Vai sentir o gosto da minha escrita,
Pois a fim de nunca esquecê-las
Eu trago todas as minhas palavras
Na ponta da língua

(R.A.)

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Nossa! Que lindo! Quem me dera...

"O EXEMPLO DAS ROSAS

Uma mulher queixava-se do silêncio do amante:
- Já não gostas de mim, pois não encontras palavras para me louvar!
Então ele, apontando-lhe a rosa que lhe morria no seio:
- Não será insensato pedir a esta rosa que fale?
Não vês que ela se dá toda no seu perfume?"

Manuel Bandeira

Fim de uma poesia

Era uma vez um sonho
Uma poesia
Uma história
Uma paixão

Começou sem querer
Num abraço
Num olhar
De mormaço

Ligou-se com intensidade
Na canção
Na imagem
No coração

Assim como termina
Um sonho
Com o desejo
De sonhar de novo

Finda uma poesia
E começa a saudade
Porque somente na saudade
Ela existirá
...Despedir-se de um amor é despedir-se de si mesmo.
É o arremate de uma história que (provavelmente) terminou,
externamente, sem nossa concordância...
Como dizia o poeta
Quem já passou por essa vida e não viveu
Pode ser mais, mas sabe menos do que eu
...
Abre os teus braços, deixa cair
Pra que somar se a gente pode dividir
...
Ai de quem não rasga o coração, esse não vai ter perdão
Quem nunca curtiu uma paixão, nunca vai ter nada, não
Vinícius de Moraes

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

MEU NOME É POESIA - Falcão S.R

Se um dia a saudade te deixar
sentido falta do carinho que te dou,
em versos poéticos vou te revelar,
onde com certeza eu estou.

Procure nas nuvens que passam,
nos raios de sol ao alvorecer,
cântico alegre de um pássaro,
na estrela que brilha ao anoitecer.

No vôo ligeiro de uma andorinha,
anunciando que a tarde findou,
na hora sagrada da Ave Maria,
flor que exala o perfume do amor.

Voz que fala o que alma reclama,
adeus comovido de quem quer ficar,
fé que remove a mais alta montanha,
olhar que espelha toda magia do luar.

Na brisa serena das tardes de outono,
céu azul nos dias alegres de verão,
primavera colorindo o vale risonho,
chama que aquece no inverno o coração.

Serenidade de criança dormindo,
sinos que dobram convidando a rezar,
solidão tristonha de um amor proibido,
emoção comovente que leva a chorar.

Conquista de leal e sincera amizade,
palavras que renovam a fé e esperança,
abraço que conforta a dor da saudade,
melodia que marca uma doce lembrança.

Chuva fertilizando a terra abençoada,
semente que em árvore se agiganta,
fonte cristalina em beira de estrada,
canto suave que os sonhos acalanta.

Caridade que o Senhor te ensinou
mãos entrelaçadas em nome da paz,
coração que não abriga ódio e rancor,
sorriso que não se esquece jamais.

Do que existe de mais belo e puro,
sou a essência da luz e alegria,
de teus anseios o porto seguro,
Eu sou o amor...Meu nome é Poesia.

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Não aguento mais a distância
Não quero mais espaços
Quero só abraços

"Melhorar o momento presente" pois
"Estamos vivos AGORA"

"A chuva cai não porque está precisando de mim,
e eu olho a chuva não porque preciso dela.
E nós estamos tão juntos como a água da chuva
está ligada à chuva. Eu não agradeço,
tampouco a chuva agradece.
Sou uma mulher, sou uma pessoa, sou uma atenção,
sou um corpo olhando pela janela.
Ele é uma chuva.
Talvez seja isso que se poderia chamar de estar vivo.
Não mais que isso.
E apenas isso é uma alegria mansa."

C.L.

Sei lá...Será?

sábado, 5 de dezembro de 2009

Vou contar uma história

Hoje, saindo de uma garagem de uma loja perto do Ubirici, ao entrar no carro que já estava na calçada, uma linda jovem surpreendeu-me. Num estado de desespero, passou correndo pelo carro, parou e voltou:

- Moça, tá indo prá onde?
- Estou indo lá para a Ipiranga.
- Sei que vou atrapalhar, mas perdi os dois ônibus e tenho que fazer a prova do ENEM. É às 13h no Mesquita.
- Mas, faltam 5 min...
- Eu sei.

Não pensei duas vezes, não sei porque, pois temos sempre receio de quem nos aborda na janela do carro.

- Sobe aí, Vamos lá...

No carro, ao fazer o retorno, toca o telefone da jovem:
- Mãe, tô no carro de uma moça que tá tentando me levar prá lá. Só que tá engarrafado o trânsito. Mãe, não vai dar. (quase chorando)
- Calma! Vai dar tudo certo!
- Moça, mesmo que não dê, ganhei o dia com tua solidariedade.
- Já passeo por isso. Estou te dizendo que tudo vai dar certo.
Na rua Dom Diogo, vimos que apontava no relógio 13h.
- Se não der, tentamos, fica tranquila!!!

O trânsito quase impossível de movimentar-se. Pela faixa da esquerda o carro
andava a milhão. Ela diz:

- É ali, na próxima a Avenida do Forte.
- Então, agora foi... (o carro virou da faixa da esquerda bruscamente para adireita.

13:05 buzinando na rua, a jovem saiu do carro agradecendo e dando tchau, correu...e
ENTROU. CONSEGUIMOS.

Não sei seu nome nem ela o meu...
Mas, querida...
vais passar em medicina como queres, só por tua vontade e inicitiva.

BOA SORTE! VAI COM CALMA! NÃO TE CONHEÇO, MAS TORÇO POR TI ATÉ O FIM!
"Eu escrevo sem esperança de que o que eu escrevo altere qualquer coisa. Não altera em nada... Porque no fundo a gente não está querendo alterar as coisas. A gente está querendo desabrochar de um modo ou de outro..."Clarice Lispector

Escrever, Humildade, Técnica

Essa incapacidade de atingir, de entender, é que faz com que eu, por instinto de... de quê? procure um modo de falar que me leve mais depressa ao entendimento. Esse modo, esse "estilo" (!), já foi chamado de várias coisas, mas não do que realmente e apenas é: uma procura humilde. Nunca tive um só problema de expressão, meu problema é muito mais grave: é o de concepção. Quando falo em "humildade" refiro-me à humildade no sentido cristão (como ideal a poder ser alcançado ou não); refiro-me à humildade que vem da plena consciência de se ser realmente incapaz. E refiro-me à humildade como técnica. Virgem Maria, até eu mesma me assustei com minha falta de pudor; mas é que não é. Humildade com técnica é o seguinte: só se aproximando com humildade da coisa é que ela não escapa totalmente. Descobri este tipo de humildade, o que não deixa de ser uma forma engraçada de orgulho. Orgulho não é pecado, pelo menos não grave: orgulho é coisa infantil em que se cai como se cai em gulodice. Só que orgulho tem a enorme desvantagem de ser um erro grave, com todo o atraso que erro dá à vida, faz perder muito tempo.

Clarice Lispector (do livro "A Descoberta do Mundo")

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

JEITOS DE AMAR

Cada um ama de alguma forma
de um jeito apenas seu

Uns amam para não sentirem-se sós
Outros amam porque o amor é solitário

Uns amam apenas quando perto
outros só podem amar de longe

Uns amam fisicamente
Outros precisam amar de corpo e alma
intensamente

Uns amam o semelhante
Outros amam as diferenças

Uns amam a Deus
Outros compreendem que Deus é amar

Uns precisam de amor
Outros precisam amar

Uns desejam saber se são amados
Outros apenas amam

Onde te encaixas tu?
Onde me encaixo eu?

(em construção...)

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Os poetas tem o poder de nos desnudarem...(2)

Gosto dos venenos mais lentos, das bebidas mais amargas, das drogas mais poderosas, das idéias mais insanas, dos pensamentos mais complexos, dos sentimentos mais fortes… tenho um apetite voraz e os delírios mais loucos.
Você pode até me empurrar de um penhasco que eu vou dizer:
- E daí? Eu adoro voar!
Não me dêem fórmulas certas, por que eu não espero acertar sempre. Não me mostrem o que esperam de mim, por que vou seguir meu coração. Não me façam ser quem não sou. Não me convidem a ser igual, por que sinceramente sou diferente. Não sei amar pela metade. Não sei viver de mentira. Não sei voar de pés no chão. Sou sempre eu mesma, não serei a mesma pra sempre.
(C.L)

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

volver

volver a mi tierra
que ganas tengo
volver al mar
a la playa braba
a positos
y a la calle rivera
a la casa de mi abuela
y a punta ballena
quiero que mi hija
sepa hablar español
y que comprenda
que son
los zapatos de charol

sí...
al menos
en el dia de hoy
en sueño
me voy

THE END

É incompreensível o que sinto
Pois
Tenho saudade do que nunca terei
Tenho saudade do que acabará
Sem mesmo ter começado

Como?
Só termina o que é possível começar
...

Não mais...
Incompreensível para a razão
Talvez só a intuição
O que também é interpretável
Portanto
Tudo passa a ser ilusão

A partir de agora
É melhor para todos nós
Não mudarmos o roteiro das próximas cenas
Já estão escritas e ensaiadas
Ninguém tem coragem para mudá-las

Sei o que vai acontecer
É melhor desaparecer
Sair de cena
Ser esquecida
Nunca tive medo de sofrer
E agora o medo que tenho
Me angustia

Libero meu sentimento
Para que livre se sinta
E vire uma estrela
A primeira estrela do ceu
Perto da lua
Protegendo-te
Para sempre.

THE END
(eu para mim mesmo, tentando me entender)

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Talvez a felicidade
Tão buscada pela humanidade
Usando-a como justificativa
Para guerras e destruições
Seja simplesmente
Olhar
Abraçar
Amar
Sorrir e...
Perguntar:

- Precisas uma ajuda?

SILÊNCIO

"Cuide para que teu silêncio
Não te traga marcas
Que emudeça a alma
Calando tão belos momentos

Tenha sempre em mente
Que nunca ter sido lembrado
É melhor que esquecido totalmente
Quando se foi tão amado...

Silenciar é uma arte
Que instiga reflexão
Tal qual palavras de sabedoria,
O silêncio provoca uma ação.

Quem trouxe um dia a poesia,
Poderá destruir um coração????

Cuide para que teu silêncio de agora
Não se transforme depois
Em grandes e tristes ecos de dor....
Pois Jamais haverá vitória,
Na derrota do Amor....

Seja sábio ao silenciar
Pois poderá escutar, esses brados do tempo:

_ Minha voz é calma e suave...
Mas não queira ouvir o meu silêncio....
............................É ensurdecedor!!!!!!" (Rose Felliciano)

.

O Silêncio (Terê Penhabe)

O silêncio é uma lâmina
afiadíssima
que vai cortando lascas
pacientemente
do coração da gente.

E apesar de tudo
de ser silêncio
ele é um grito sufocante
aterrorizante
na alma da gente.

Sempre o desejamos
ardentemente
sem esperar, no entanto
displicente
que ele atenda a gente.

O silêncio é na verdade
misterioso
contém muitas histórias
doloridas
sobre a vida da gente.

Estou nesse momento
nos braços do silêncio
agarro-me a ele
com medo de cair
de repente...

Porque apesar de triste
é companheiro
e se temos que ficar assim
esquecidos
que seja no silêncio.

Ele faz parte da gente...

domingo, 29 de novembro de 2009

Preciso escrever senão vou enlouquecer!

Os poetas têm o poder de nos desnudarem (1)

Creio no mundo como num malmequer,
Porque o vejo. Mas não penso nele
Porque pensar é não compreender...

O Mundo não se fez para pensarmos nele
(Pensar é estar doente dos olhos)
Mas para olharmos para ele e estarmos de acordo...

Eu não tenho filosofia; tenho sentidos...
Se falo na Natureza não é porque saiba o que ela é,
Mas porque a amo, e amo-a por isso
Porque quem ama nunca sabe o que ama
Nem sabe por que ama, nem o que é amar...

Fernando Pessoa

Memória

Amar o perdido
deixa confundido
este coração.

Nada pode o olvido
contra o sem sentido
apelo do Não.

As coisas tangíveis
tornam-se insensíveis
à palma da mão

Mas as coisas findas
muito mais que lindas,
essas ficarão.

Carlos Drummond de Andrade
Quero apenas cinco coisas..
Primeiro é o amor sem fim
A segunda é ver o outono
A terceira é o grave inverno
Em quarto lugar o verão
A quinta coisa são teus olhos
Não quero dormir sem teus olhos.
Não quero ser... sem que me olhes.
Abro mão da primavera para que continues me olhando.

Pablo Neruda

...

Tento despedir-me...
Não consigo ir muito longe
Sinto ciúme...
Dá vontade de gritar

Tudo muda
Tenho que aceitar
Somos diferentes
Não há como evitar

Tento parar de escrever
Não dá...
É a única forma que tenho
De te AMAR!

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Calei-me

Calei-me
Por tempo indefinido
Calei-me
Para pensar no que foi vivido

Talvez
Volte a escrever
Talvez
Queira, um dia
Ainda saber

Calar
É aceitar que
Um tempo chegou ao fim
Não queria que fosse assim
Mas, preciso me despedir.

Um pouco de Fernando Pessoa

Temos, todos que vivemos,
Uma vida que é vivida
E outra vida que é pensada,
E a única vida que temos
É essa que é dividida
Entre a verdadeira e a errada


******************************************
Grande é a poesia, a bondade e as danças...
Mas o melhor do mundo são as crianças,
Flores, música, o luar, e o sol, que peca
Só quando, em vez de criar, seca.


******************************************
Sim, sei bem
Que nunca serei alguém.
Sei de sobra
Que nunca terei uma obra.
Sei, enfim,
Que nunca saberei de mim.
Sim, mas agora,
Enquanto dura esta hora,
Este luar, estes ramos,
Esta paz em que estamos,
Deixem-me crer
O que nunca poderei ser.
Se me esqueceres,
só uma coisa,
esquece-me
bem devagarinho.

M Q

O Mais é Nada...Fernando Pessoa

Sonhe com as estrelas,
apenas sonhe,
elas só podem brilhar no céu.
Não tente deter o vento,
ele precisa correr por toda parte,
ele tem pressa de chegar,
sabe-se lá onde.
As lágrimas?
Não as seque,
elas precisam correr na minha,
na sua, em todas as faces.
O sorriso!
Esse, você deve segurar,
não o deixe ir embora, agarre-o!
Persiga um sonho,
mas, não o deixe viver sozinho.
Alimente a sua alma com amor,
cure as suas feridas com carinho.
Descubra-se todos os dias,
deixe-se levar pelas vontades,
mas, não enlouqueça por elas.
Abasteça seu coração de fé,
não a perca nunca.
Alague seu coração de esperanças,
mas, não deixe que ele se afogue nelas.
Se achar que precisa voltar, volte!
Se perceber que precisa seguir, siga!
Se estiver tudo errado, comece novamente.
Se estiver tudo certo, continue.
Se sentir saudades, mate-as.
Se perder um amor, não se perca!
Se o achar, segure-o!
Circunda-te de rosas, ama, bebe e cala
O mais é nada.

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Melodia e charla

Meu amanhã
é um mate de cambona
lavando a alma...
É o violão
num verso de fronteira
tocando a estância...
É melodia e charla
num fundo de invernada.
É a poesia
noutra campereada.
Um pingo bueno
um cusco, um galpãozito,
uma milonga...
Tempo e saudade
pra tentear pra os lados.
Tento a vontade
pra o feitio dos aperos.
Trevo e flexilha
pra encher os olhos
e cuidar do campo!
Meus silêncios
são sinuelos de aguapés
nas aguadas do meu canto...
É um motivo a mais
a quem dedicar uma canção...

(Mauro Moraes)

domingo, 22 de novembro de 2009

........

Vivo cada dia
pensando em como
ser e fazer melhor
do que fui e fiz
no dia anterior.

Penso em ler mais,
desejo amar mais,
tento racionalizar mais,
procuro manter sentimentos
que me deixam feliz,
que fazem bem ao coração,
à mente e ao espírito.

Algumas pessoas
tormam-se importantes um dia,
mesmo perto.
Outras todos os dias,
mesmo distantes.

Tenho medo,
mas não de morrer...
Tenho é medo de te perder.

sábado, 21 de novembro de 2009

Não entendo, mas aceito.

Escrevo
Pergunto
Espero
...
Nada

Insisto
Escrevo de novo
Pergunto de outro jeito
Espero
...
Nada

Parei de escrever
Não entendo
Desisto
...

Fica tranquilo
O silêncio
me venceu
Queria manter
Um amor
um amigo

Agora
O nada
Tornou-se
Real

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Besos (Gabriela Mistral, parte de um poema...).

Hay besos que pronuncian por sí solos
la sentencia de amor condenatoria,
hay besos que se dan con la mirada
hay besos que se dan con la memoria.

Hay besos silenciosos, besos nobles
hay besos enigmáticos, sinceros
hay besos que se dan sólo las almas
hay besos por prohibidos, verdaderos.

Hay besos que calcinan y que hieren,
hay besos que arrebatan los sentidos,
hay besos misteriosos que han dejado
mil sueños errantes y perdidos.

Hay besos problemáticos que encierran
una clave que nadie ha descifrado,
hay besos que engendran la tragedia
cuantas rosas en broche han deshojado.

Hay besos perfumados, besos tibios
que palpitan en íntimos anhelos,
hay besos que en los labios dejan huellas
como un campo de sol entre dos hielos.

Hay besos que parecen azucenas
por sublimes, ingenuos y por puros,
hay besos traicioneros y cobardes,
hay besos maldecidos y perjuros.

Judas besa a Jesús y deja impresa
en su rostro de Dios, la felonía,
mientras la Magdalena con sus besos
fortifica piadosa su agonía.

Desde entonces en los besos palpita
el amor, la traición y los dolores,
en las bodas humanas se parecen
a la brisa que juega con las flores.

Hay besos que producen desvaríos
de amorosa pasión ardiente y loca.
Besos de llama que en rastro impreso
llevan los surcos de un amor vedado,
besos de tempestad, salvajes besos
que solo labios que se quieren
los han probado.

...

por que el silencio?

El silencio del mar
brama un juicio infinito
más concentrado que el de un cántaro
más implacable que dos gotas

ya acerque el horizonte o nos entregue
la muerte azul de las medusas
nuestras sospechas no lo dejan

el mar escucha como un sordo
es insensible como un dios
y sobrevive a los sobrevivientes

nunca sabré que espero de él
ni que conjuro deja en mis tobillos
pero cuando estos ojos se hartan de baldosas
y esperan entre el llano y las colinas

o en calles que se cierran en más calles
entonces sí me siento náufrago
y sólo el mar puede
salvarme

(Mario benedetti)

Minha inspiração está se esvaindo...

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

mais um final de ano

Mais um ano chega ao fim,
mais uma vez aquela emoção

Rostos pequenos se despedem
com lágrimas nos olhos

Deixam em mim
um pouco de seus sentimentos,
suas marcas,
seus sofrimentos.

Conheço-os, um por um
pelos olhos, pelas palavras

Vão meus queridos
Se cuidem no ano que vem.

Estarei sempre ali
Ou aqui...

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Saudade de um mate...

...feito pelo olhar
que no caração bate.

união de poesia
e canção.

Faz um mate prá mim?

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

FIM

Hoje dei-me conta
Chegou o fim...

Fim de um poema
Fim de uma canção
Fim de um tempo
Fim de uma ilusão

Fim de um amor
Fim de uma amizade
Fim de um sonho
Fim de uma vontade

Simplesmente...

O FIM

domingo, 15 de novembro de 2009

tempo

O tempo
tem seu tempo.
A vida dura um tempo,
e a morte acaba com ele.

Só o tempo
ajuda a realizar sonhos,
só os sonhos
acreditam no tempo.

A distância separa por um tempo,
O tempo separa para sempre.
Hoje, queria sonhar menos,
para matar o tempo,
antes que ele me mate.

A FLOR

Oh, linda flor
que nasce no campo,
para mim
não causa espanto.

És sim, de pura e rara beleza
e como um encanto da natureza,
demonstras tua ingenuidade
quando escondes tua vaidade.

Resistes aos ventos,
transcorres aos tempos
e não tens espinhos,
pois teus caminhos te levam ao amor.

Amor gentil,
que em teu olhar
verdadeiro
é sutil.

Explica a tua existência
e que lá longe na tua ausência
se resume em dor,
oh, minha amada flor!

Tens um perfume
que parece magia,
que mesmo sem querer
a todos contagia.

E como se fosses
um relâmpago de alegria,
nos levando lá
pro lado da fantasia.

Nos transformas em felicidade
deixando o mundo sem maldade
e muito mais risonho,
porque tudo isso
nunca passou de um sonho.

(Mesmo assim, queria ser a flor dos teus sonhos...)

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

La rosa se está muriendo...
Ella necesita de água y de luz.
Que no se muera!

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Dá medo...

Das incertezas do dia seguinte
Do viver sem sentido, sem razão
Da monotonia das noites vazias
Sem esperança ou motivação.

Dá medo...

De perder as palavras totalmente
E romantismo nelas, não mais haver
Dos pensamentos não te alcançarem
E dos meus olhos, você esquecer.

Dá medo...

De não achar refúgio nas tempestades
E nas revoltas ondas do mar dolente
Sofrer a angústia torpe de perceber
O frio cortante do seu olhar ausente.

Dá medo...

De sufocado e envolvido pela cupla
O amor seja varrido totalmente
E nossos sonhos serem todos banidos
E levados de nós pelo vento quente.

Dá medo...

De nossas almas fadadas ao exílio
Em cem, mil dias de solidão
De lágrimas vertidas, inutilmente
De sentir frio e vazio o coração.

Dá medo...

De no limiar da minha vida, concluir
Que o anoitecer esperado foi esquecido
Que a porta, sempre aberta, não existiu
De nas suas madrugadas, eu nunca ter existido.

Dá medo, sim!
(Gloria Salles)

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Não é que o mundo seja só ruim e triste. É que as pequenas notícias não saem nos grandes jornais. Quando uma pena flutua no ar por oito segundos ou a menina abraça o seu grande amigo, nenhum jornalista escreve a respeito. Só os poetas o fazem. (Rita Apoena)

Felix Mendelssohn Bartholdy: Verleih uns frieden gnaediglich

Verleih' uns Frieden gnädiglich,
Herr Gott, zu unser'n Zeiten,
Es ist doch ja kein Ander' nicht,
Der für uns könnte streiten,
Denn du, unser Gott alleine.

In these our days so perilous,
Lord, peace in mercy send us;
No God but thee can fight for us,
No God but thee defend us;
Thou our only God and Saviour

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

DESPEDIDA!

Para bom entendedor...

Quando chegamos, dizemos oi,
bom dia, boa tarde...

Quando saímos, dizemos tchau,
até mais, até amanhã...

Sei que às vezes chegamos sem dizer uma palavra e saímos calados.
Aliás, pessoas queridas sempre se vão, não sei se
sou eu que chego sempre tarde, ou é assim que deve ser.

Que seja...

Mas, espero que quando chegue a hora de ir embora,
receba um tchau,
para que eu possa dizer...
...se cuide e seja feliz!

sábado, 7 de novembro de 2009

AMAR?

Não me tirem, por gentileza, o direito de amar.
Dia desses, nesta semana mais precisamente, ouvi
de um colega ligado a grupos de jovens, que quando
desejas dar alguma tipo de sentimento a alguém, sempre,
vejam bem, sempre pedirás algo em troca. Será mesmo?
Será que ele sabe o que é Amor?
Discordei e continuo discordando. Muitos jovens sabem
e conversam sobre isso. Eles perguntam aos adultos se sabem
o que é amar, pois observam, pensam, ainda bem!

Claro que precisamos do toque, do olhar,
do beijo, do abraço.
Mas, o mais importante é abrir o coração
para um sentimento, muitos dirão solitário,
não importa...
Solitário somos todos.
Aliás...azar de quem não sente e, mais ainda, não sabe que é amado.

Quem é mais infeliz?
O que ama por amar,
o que ama e precisa ser amado,
ou o que ignora ser amado?

afinal...O que é Amar?

terça-feira, 3 de novembro de 2009

Enquanto leio...

Memórias de Subsolo - Dostoiévski

“Juro-vos senhores que uma consciência muito perspicaz é uma doença, uma doença autêntica, completa. Para uso do cotidiano seria mais do que suficiente a consciência humana comum...”(p. 68).

“Existem nas recordações de todo homem coisas que ele só revela aos amigos. Há outras que não revela mesmo aos amigos, mas apenas a si próprio, e assim mesmo em segredo. Mas também há, finalmente, coisas que o homem tem medo de desvendar até a si próprio: e, em cada homem honesto, acumula-se um número bastante considerável de coisas no gênero. E acontece até o seguinte: quando mais honesto é o homem, mais coisas assim ele possui.”(p.99).

Verdade, Mentira

Verdade, mentira, certeza, incerteza...
Aquele cego ali na estrada também conhece estas palavras.
Estou sentado num degrau alto e tenho as mãos apertadas
Sobre o mais alto dos joelhos cruzados.
Bem: verdade, mentira, certeza, incerteza o que são?
O cego pára na estrada,
Desliguei as mãos de cima do joelho
Verdade mentira, certeza, incerteza são as mesmas?
Qualquer cousa mudou numa parte da realidade — os meus joelhos
e as minhas mãos.
Qual é a ciência que tem conhecimento para isto?
O cego continua o seu caminho e eu não faço mais gestos.
Já não é a mesma hora, nem a mesma gente, nem nada igual.
Ser real é isto.

Alberto Caeiro

Pô...isso não se faz!

Deixar os dias passarem
Sem um sinal sequer
A saudade vem
Fica amarrada no coração
Mas uma hora desamarra
E liberta-se da solidão

Passaram alguns dias
Senti saudade
Quando cheguei
Percebi que só eu senti


Mas, saudade é solitária
Senão, não seria saudade
Desta forma
Me conformo

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Pedaço de canção 4

Eu gosto tanto de você
Que até prefiro esconder
Deixo assim ficar
Subentendido
Como uma idéia que existe na cabeça
E não tem a menor obrigação de acontecer
Eu acho tão bonito isso
De ser abstrato baby
A beleza é mesmo tão fugaz

Pode até parecer fraqueza
Pois que seja fraqueza então,
A alegria que me dá
Isso vai sem eu dizer
Se amanhã não for nada disso
Caberá só a mim esquecer
O que eu ganho, o que eu perco
Ninguém precisa saber

domingo, 25 de outubro de 2009

Queria tanto dizer...como dizem o Caetano e o Peninha...

"Mimar você nas quatro estações
Bem bom viver, andar de mãos dadas."

Será impossível?
As escolhas já foram feitas, eu sei...

Mas...

"Às vezes, no silêncio da noite
Fico ali...sonhando acordada...

...Não sou, nem quero ser sua dona
é que um carinho, às vezes cai bem...

...Quando a gente gosta, é claro que a gente cuida..."

Y Soledad P. nos dice asi:

"Uno se despide, insensiblemente de pequeñas cosas
lo mismo que un árbol en tiempo de otoño
muere por sus hojas..."

"Es tu sonrisa una bendición
reparadora de todo mal
nació contigo una flor
es muy amiga del trigo...
...Escucha bien a tu corazón
...Escucha al viento con su canción."
Não quero racionalizar sentimentos.
Isto é uma violência.
Acredito que razão e emoção possam andar juntas,
porém lado a lado.

Cheguei tarde na estrada e perdi a primeira carona.
Agora, tenho que esperar que Deus me indique
se espero um tempo, ou se vou em frente.
Voltar...
Nunca!

Limite para sentimentos, a razão venceu!!!!

Como sempre, passo dos limites da razão.
Recebo as consequências do que mereço.
Quero dizer uma coisa, digo outra...
Quero ouvir respostas que,
provavelmente, nunca ouvirei.

Quando vou, me seguram,
Quando escrevo, não entendem.
Talvez, até entendam...
Só não é possível me responderem como desejo.
Caminhos diferentes, olhares diferentes,
Sentimentos? Isso deve ser brincadeira!!!
O sentimento só é verdadeiro quando extrapola a razão,
Senão...é só ilusão!

OK! Tenho alguns neurônios ainda
Eles me disseram:
Acabou o tempo de seguir em frente.
É hora de dar passos para trás.

Sim, Senhor!
Obrigada, Senhor!
Atenciosamente,

Nadya

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Djavan Antério

Aqui estão simples palavras
Que entrelaçadas ao vento,
Tomam rumo desgovernado,
Atingindo diferentes sentimentos.

Longe vão até atingir um ponto.
Procurando no verbo o advérbio
Que se escore na vírgula do contraponto.

Predicado não tolerado,
Gerúndio aborrecido.
Mal utilizados,
Lamentam a ignorância dos esquecidos.

Talvez longe existam as respostas.
Num futuro do pretérito eqüidistante,
Ofuscado pelos ditongos das encostas.

Lá de tudo haverá.
O substantivo substituído,
O encaixe que na brecha cabia,
A solução da confusão da polissemia.

Mas se não tem o que fazer,
Case a crase com o seu saber.
Adjunte-se ao ignorante
E faça-o compreender.

Afinal, sua voz pode ser ativa.
E sendo ativa, a torne reflexiva,
Para envolver o prefixo da naturalidade
Dando mais ênfase a realidade.

terça-feira, 20 de outubro de 2009

O príncipe e a princesa

O príncipe perguntou:
- Quem és tu? Vem brincar comigo.
A princesa respondeu:
- Não posso brincar contigo. Preciso que me catives primeiro.
- Cativar? O que significa cativar?
- Significa "criar laços".Se tu me cativas, nós teremos necessidade um do outro. Serás para mim único no mundo. E eu serei para ti única no mundo...
- Começo a compreender, disse o Príncipe. Existe uma flor... eu creio que ela me cativou...
- Por favor... cativa-me! Disse a Princesa.
- Não posso. Eu não tenho muito tempo. Tenho amigos a descobrir e muitas coisas a conhecer e a fazer. Devo ir-me embora.
- Se quiseres uma amiga para sempre, catíva-me!
- Que é preciso fazer? Perguntou o Príncipe.
- É difícil, mas é preciso ser paciente. Tu te sentarás primeiro um pouco longe de mim. Eu te olharei com o canto do olho e tu não dirás nada. A linguagem é uma fonte de mal-entendidos. Mas, cada dia, faremos um passo para mais perto. Nos encontraremos sempre na mesma hora, pois uma hora antes da hora combinada, já serei feliz. Prepararei o meu coração, principalmente para a hora da partida, mesmo que chore...
- Mas se vais chorar, te farei mal!
- Não chorarei de tristeza, porque para sempre terei alguém que um dia desejou cativar-me, e assim, para sempre terás uma amiga! Apenas chorarei de saudade...
(O pequeno Príncipe)

sábado, 17 de outubro de 2009

El rio se está callando
y cuando se calla el rio
el canto se vá silenciando...
No quiero que se calle,
deseo cantar para siempre
para que la rosa nunca se muera

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

PARA MINHA MÃE!

Quando pequena te olhava,
te admirava em teu ofício.
Observava tua dedicação,
tua felicidade,
tua necessidade em facilitar
para os "teus alunos"
o relacionamento com os conhecimentos
em Matemática e Ciências.

Como agora, havia momentos
em que tudo ficava complicado.
Lembro quando comentavas
que tinhas que ajudar ao Luis Fernando,
principalmente a se comportar em aula.

Lembra quando tinha eu que decorar poemas e discursos?
Só tu mesmo prá me ajudar.
Teu jeito firme e positivo.
Sempre conseguia, desde 5 anos de idade, no Jardim de Infância!

Vocês não queriam que eu fosse professora.
Isso foi impossível.
Como não ser professora,
se aprendi a cuidar do Outro contigo,
aprendi a ficar feliz quando alguém ficava feliz,
aprendi a buscar outras alternativas
caso uma não desse certo.

Sinto muito...foi impossível não ser professora...

Arquiteta? Quase, porém...prá quê mesmo?
Diplomata? Só na vida...
Desculpa, mas foi impossível não ser professora.

Aprendi contigo a ser feliz assim!
Muito Obrigada!

Aos filhos de Libra!

Era de libra como a lua vista assim é de cor de sal
era de libra como a luz das sete estrelas
forma algum sinal
era de libra quando dá um passo atrás
pra caminhar legal
era a balança universal
era harmonia como o ritmo da vida e o carnaval
era de libra como a brisa quando passa
e ondula o trigal
mas tinha medo de saber que o jogo da verdade
era fatal
era a balança universal
era de libra e amava a paz e a justiça natural
era de libra pra poder unir a idéia
ao seu material
o simbolismo da figura da mulher
paixão arterial
era a balança universal
era de libra como a valsa, o antigo Egito e afinal
era de libra e tem a crença da beleza
e do encanto geral
a natureza da firmeza e oscilação
a simpatia e tal
era a balança universal

Pedaço de canção 3

A flecha que passa rente
Cantor implorando um bis
O cara que sempre mente
A feia que quer ser miss
Gaivota voando sob o céu
A letra que eu nunca fiz

Tudo é a mesma solidão
Mas dá pra se ser feliz, ô menina

E a quem perguntar quando o vento sopra
Responda que já soprou
Mas o vento não traz resposta
Acabou

E todo mundo é sozinho
E ai de quem pensar que não
A moça com seu vizinho
Soldado com capitão
E resta a quem tá sem seu amor
Amar sua solidão
Hoje é preciso um uivo
De lobo na escuridão, ô menina

terça-feira, 13 de outubro de 2009

Pedaço de canção 2

...Si pudiera exorcizarme de tu voz
Si pudiera escaparme de tu nombre
Si pudiera arrancarme el corazón
Y esconderme para no sentirme nuevamente

Bruta, ciega, sordomuda...

Se me acaba el argumento y la metodología!

Pedaço de canção 1

Todo grande amor só é bem grande se for triste.

...Assim como o oceano só é belo com o Luar.
Assim como a canção só tem razão se se cantar.
Assim como uma nuvem só acontece se chover.
Assim como o Poeta só é grande se sofrer.
Assim como viver sem ter razão, não é viver,
Não há você sem mim,
Eu não existo sem você.

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Morte e Paixão

Morte,
Não leva ainda
O olhar que ilumina
A música que descreve
O que ninguém consegue
Dizer, pois melindra.

Morte,
Não leva ainda
O amanhecer de um dia
Que com sua magia
Encontra a Lua brilhando
No ceu emprestado
Pelo Sol, que vigia.

Morte,
Não leva ainda
A mão trêmula
O coração acelerado
Pelo desejo guardado
De um beijo não dado
E um abraço apertado.

Morte,
Não me leva ainda
Dá mais um tempo
Prá tentar mudar
Meu coração ardendo
E aquietar a mente
Que manobra veemente
E me leva no vento.

Morte
Mesmo que quiseres
Levar minha Paixão
O vento, o sol e a lua
No seu encantamento
A perpetuarão
Pelo firmamento.

domingo, 11 de outubro de 2009

Química do amor

(Aceito tudo isso, mas é tão bom sentir-se em estado de paixão, tudo bem...é uma loucura, fazemos coisas inacreditáveis, mas mesmo sabendo de tudo isso aqui, continuo apaixonada...pena que paixão não dura para sempre. Temos que conduzir algumas atitudes de tal forma (inteligentemente) que a paixão se renove, até acontecer o que ambos desejam, o toque, o abraço, o beijo...)



Estudos científicos identificaram as substâncias responsáveis para iniciar o processo de atração sexual: dopamina, feniletilamina e ocitocina. Esses produtos químicos são todos relativamente comuns no corpo humano e são encontrados apenas durante as fases iniciais do flerte. Segundo a professora Cindy Hazan, da Universidade Cornell de Nova Iorque, “os seres humanos são biologicamente programados para se sentirem apaixonados durante 18 a 30 meses”, tempo suficiente para que o casal se conheça. Copule e produza uma criança.

Com o tempo, o organismo vai se tornando resistente aos efeitos da feniletilamina, e toda a “loucura” da paixão desvanece gradualmente – a fase de atração não dura para sempre. O casal, então, se vê frente a uma dicotomia: ou se separa ou habitua-se a manifestações mais brandas de amor – companheirismo, afeto, e tolerância -, e permanece junto.

A feniletilamina é uma molécula (neurotransmissor) natural semelhante à afetamina e sua produção no cérebro é desencadeada por eventos tão simples como uma troca de olhares ou um aperto de mãos. Esta substância pode responder em grande parte, pelas sensações e modificações fisiológicas que experimentamos quando estamos apaixonados.

Pesquisadores afirmam que exalamos continuamente, pelos bilhões de poros na pele e até mesmo pelo hálito, produtos químicos voláteis chamados feromônios. Assim como os animais, que se deixam guiar pelo olfato durante o acasalamento, os seres humanos usam inconscientemente este sentido no momento de escolher um parceiro. Assim, por meio dos feromonas somos capazes de detectar o cheiro corporal dos demais e responder diante deste estímulo.


O odor corporal é fortemente influenciado pelo tipo de alimentação e influência nossas preferências por certos aromas. Pessoas que gostam de comidas muito temperadas também preferem fragrâncias fortes e penetrantes, como as que contêm patchuli, sândalo ou gengibre. Aquelas que consomem mais laticínios preferem florais, como lavanda e néroli (flor de laranjeira). Os japoneses (alimentação baseada em peixes, verduras e arroz) são atraídos por fragrâncias delicadas. E, enquanto os esquimós são tidos como tendo cheiro de peixe e os africanos cheiro de amoníaco, o resto do mundo concorda que o cheiro azedo dos europeus é o mais nauseante, dizem os pesquisadores.

Os sentidos humanos estimulam a paixão. A visão é, provavelmente, a fonte de estimulação mais importante que existe. No homem, existem numerosos estímulos visuais envolvidos na atração sexual, que vão muito além da visão dos genitais do sexo oposto. A forma de mover-se, um olhar, um gesto, inclusive a forma de vestir-se, são estímulos que podem resultar mais atraentes que a contemplação pura e simples de um corpo nu. O amor entra pelos olhos.

O uso de frases e canções amorosas constitui uma das preliminares mais habituais n as sociedades humanas como meio de solicitação sexual. Através da audição, uma frase erótica, sussurrada ao ouvido, pode resultar tão incitadora quanto um bramido de elefante na imensidão da selva. E não só as primeiras palavras, mas também os tons de voz deverão responder aos padrões de saúde e genética desejados na escolha do (a) parceiro (a).

O tato é outra preciosidade, a pelo com a qual amamos. A superfície do corpo humano, com aproximadamente dois metros quadrados de extensão é, poderíamos dizer, o maior órgão sexual do homem. Mais do que simplesmente um dos sentidos, o tato é a resultante de muitos ingredientes: sensibilidades superficiais, profundas, vontade de explorar e atividade motora, emoções, memória, imaginação. Existe cerca de cinco milhões de receptores do tato na pele – as pontas dos dedos têm uns 3.000 que enviam impulsos nervosos ao cérebro através da medula. O tato é o mais primitivo e elementar dos sentidos.

A boca é a primeira fonte de prazer. Vai da fase em que o bebê se amamenta através do mamilo da sua mãe até a fase adulta, quando o paladar fica cada vez mais apurado. A língua é a base de todo o paladar e a boca é uma das partes mais sensíveis do corpo e mais versáteis. Um beijo combina os três sentidos de tato, paladar e olfato. Favorece o aparelho circulatório, aumento de 70 paras 150 os batimentos do coração e beneficia a oxigenação do sangue. Sem esquecer que o beijo estimula a liberação de hormônios que causam bem-estar.

E quem pensa que o amor começa quando os olhares se encontram está enganado. É um pouco mais embaixo, no nariz. Há circuitos que vão do olfato ao cérebro e leva uma mensagem muito clara: sexo. Os feromônios que falamos no início e exalam pelos bilhões de poros na pele envolve nosso comportamento sexual e a marcação de território. Eles produzem reações químicas que resultam em sensações prazerosas. Quando decidimos que temos química com alguém, o mais provável é que estamos literalmente certos.

ABRAÇO PARA QUEM GOSTA!

(será que existe alguém que não gosta de um abraço? Tenho me sentido especial por alguns abraços que andei recebendo. Isso tem me deixado feliz. Gostaria de poder retribuir, mas ainda não sei como, também não sei se devo, pior, acho que não será possível. Mas, às vezes, através de palavras também abraçamos e nos sentimos acolhidos por um abraço. Esta é uma forma que temos de nos abraçarmos...
Um abraço...não,mais de um!)

Abraço de quem ama
Abraço de quem gosta
Abraço que encanta
Abraço que conforta

Abraço que alegra
Abraço de confiança
Abraço que carrega
Abraço de esperança

Abraço de segredo
Abraço de fé
Abraço que ameniza o medo
Abraço deitado, sentado ou em pé

Abraço de amigo
Abraço forte
Abraço querido
Abraço de boa sorte

Abraço de desculpas
Abraço de perdão
Abraço de boa viagem
Abraço de irmão

Abraço de saudade
Abraço de pureza
Abraço sem maldade
Abraço com firmeza

Abraço que aquece
Abraço arrependido
Abraço que não se esquece
Abraço coletivo

Abraço de pai
Abraço maduro
Abraço de mãe
Abraço seguro

Abraço...

((Djavan Antério))

sábado, 10 de outubro de 2009

Una milonga para un amor!

Una milonga
Cuando canta
Canta por la tristeza
De una guitarra
Con sus cuerdas
Guitarreadas
Por versos apasionados

Una milonga
Cuando canta
Canta el silencio
De un amor
Que, posible o nó
Se muere
Por el calor
De una boca
Un abrazo
Una mirada con ardor

Una milonga
Cuando canta
Canta por una luna y un sol
Que talvez un dia se encuentren
Un dia de despedida
Que cambiará para siempre
El rumbo del corazón
Que nunca más brillará
Por un amor
Pues se irá.

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Passaram-se os anos
Cresci, aprendi
Amadureci,
Perdi...

Cheguei tarde!

Como competir com o tempo?

Ele é mais forte,
Mais decisivo,
Implacável...

Cheguei tarde!

Tentei desafiá-lo
Tentei suborná-lo
Tentei negociar
Perdi...

Cheguei tarde!

terça-feira, 6 de outubro de 2009

No dia do aniversário
A gente às vezes tem vontade
De se esconder dentro do armário
Mas aí vem um com um beijo
Outro realizando um desejo
E aquele que está sempre atrasado
Chega super animado
Estourando um champanhe
Mesmo que eu estranhe
E não entenda muito bem
Por que tantos parabéns
Fico feliz com os presentes
Agüento melhor os parentes
E não me pergunto na hora
O que há de mentirinha
Nessa anual história
Quem me dera tanto afeto
Duas vezes por semana
Pra derreter a couraça
Pra amenizar minha gana
Congelaria se possível
Muitos pedaços do bolo
Pra durante o ano carente
Come-los como consolo

Elisa Dias Batista

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Una Canción Posible - Mercedes Sosa (Victor Heredita)



Dame una leve canción, un trozo de pan,
la lucha de cada día,
que vivir sin esta vida es imposible para mí,
dame las uvas y el sol
la bella emoción de amar bajo las estrellas
que vivir sin esta vida es imposible para mí.

Dame una ilusión, la luz de un volcán
la rueca de la esperanza
que esta tierra sea posible
por sus viejas cicatrices, por sus tristes mutilados,
los que han muerto despojados, los que nombro enamorados,
los que lloro derrumbados,los que canto desangrados,
los que van siempre a mi lado con su sueño desvelado,
los que han dado su costado para los desamparados,
victoriosos torturados, pero nunca derrotados
el futuro está en mis manos y en mi amor apasionado
el futuro está en mis manos y tu amor . . .

los que han dado su costado para los desamparados,
victoriosos torturados, pero nunca derrotados
el futuro está en mis manos y en mi amor apasionado
el futuro está en mis manos y tu amor . . .

domingo, 4 de outubro de 2009

Mate!!

Mate, querido Mate
Preciso de ti
Seja para cevar-te a amigos
Seja para encostar a mão
na mão de alguém muito querido!

Mate, querido mate
Juntas os corações,
unes em canções
as pátrias de longe
que ainda se beijarão
através dos lábios que te tomam.

Mate, querido Mate
Completa a roda
que passa de mão em mão
Mas não deixa de passar
da mão dele,
para a minha mão!

sábado, 3 de outubro de 2009

Educação Lassalista no cenário social atual

Refletir sobre Educação seria impossível sem trazer à tona os desafios que o cenário social atual nos apresenta, pois NELE e ATRAVÉS DELE, a pessoa humana convive de forma física, psíquica e espiritual.
Por um lado vemos aspectos como exclusão, concetração de renda, dependência econômica de países desenvolvidos, excessiva competitividade. Por outro lado vemos características de mudanças drásticas na formação familiar, na interação com a natureza e com a organização do tempo, além das enormes diferenças geográfico-regionais.

Nossa missão como educadores lassalistas se depara com grandes desafios, portanto, nossa ação educativa deverá estabelecer-se a partir das necessidades dos educandos.
Estamos diante de contrastes, pois desejamos formar integralmente a partir de um mundo fragmentado; desejamos promover a solidariedade num mundo competitivo; além disso, desejamos estimular e desenvolver valores cristãos permanentes num mundo onde os resultados são momentâneos e frágeis.

Através do nosso conhecimento e compreensão de pessoa humana como um ser integral e sujeito de seu próprio desenvolvimento, devemos buscar uma profunda reflexão para administrar essas diferenças. Estas é nossa grande missão como educadores lassalistas.

O processo de diálogo permanente entre todos os segmentos envolvidos na ação educativa é fundamental para que nossa missão se cumpra. A ação deverá fundar-se em aspectos que caracterizem a formação do ser humano através de atos conscientes, responsáveis, solidários, participativos e abertos ao transcendente.

Educando e educador, ao lidarem com o conhecimento científico buscam verdades universais. Ao estabelecer-se esa ligação, fatores históricos se misturam à TEIA de construção de saberes.

Assim, em constante e permanente reflexão dialética, é possível atingirmos nosso principal objetivo como colaboradores lassalistas em missão educativa: contribuir para a construção de uma sociedade conforme o plano de nossa FÉ em Deus: organizada focando a pessoa humana, respeitada e fundamentada em valores ético-morais, promovendo a justiça, a liberdade, a fraternidade, a solidariedade, a igualdade a democracia, a participação e respeito às diferenças.

domingo, 27 de setembro de 2009

In Trutina (ária soprano- Carmina Burana)



In trutina mentis dubia
Em equilíbrio
Fluctuant contraria
No meu hesitante equilíbrio
Lascivus amor et pudicitia
Desejo oscila com a modéstia
Mas eu escolho aquilo que vejo


Sed eligo quod video
Baixo a minha cabeça ao peso da canga
Collum iugo prebeo
Pois apesar de tudo, o fardo é doce
Ad iugum tamen suave transeo
Por isso carrego-o sobre mim.

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Eu não tenho cabelos vermelhos e o meu vestido não é amarelo. Eu sou só uma menina invisível, deitada na grama invisível que a moça que não sabia desenhar, não desenhou. Aquele é o menino que eu não lhe falei. Ele sempre está preso num único instante; o instante em que o moço que sabia desenhar, o desenhou.

O balão que subia as nuvens, com várias crianças chamando, teve de desviar o caminho, pois não fazia parte desse desenho. O avião que trazia uma faixa, com linda declaração de amor, teve de mudar a rota, pois neste céu azul é que não foi desenhado. O pombo-correio que veio voando de fora da imagem, bateu o bico na borda e caiu. Por isso, o menino está sempre só.

Se as crianças do balão não conseguiram. Se o avião também não conseguiu. Se nem o pombo-correio teve sucesso, como é que eu, uma menina invisível, feita de palavras, poderia chegar até ele? Foi o que passei dias e dias pensando. Então, numa de minhas viagens, ouvi dizer que uma imagem valia mais do que mil palavras. Não tive dúvidas. Abri a oficina invisível, acendi as luzes transparentes e comecei a construir este imenso abraço de palavras. De mil e duas palavras. Para, um dia, entregar a ele.

rita apoena

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

DESPEDIDA

estou triste


perdi um amigo


quando se perde um amigo


daqui ou de lá


se perde um pedaço do coração


mesmo que vá com ele


doi


boa viagem Maestro Motta


um abração da amiga que não é de Pelotas...


mas é de Livramento

terça-feira, 22 de setembro de 2009

Para mim!

Quando em Educação existe a possibilidade de não acontecer,
ou até de quase acontecer, o coração entristece.
Gostaria de ser mais do que posso ser em aula.
Não dá!
Tranca tudo quando entra no âmbito familiar.
Os estudantes precisam de saúde mental, de saúde afetiva,
foge ao meu alcance,
escapa de minha mão como água pingando aos poucos.

"Ainda pior que a convicção do não
é a incerteza do talvez
é a desilusão de um quase!
É o quase que me incomoda
que me entristece, me mata
Trazendo tudo que poderia ter sido
...e não foi"

Sarah Westphal

Para Rubem Alves

"Se fosse ensinar a uma criança a beleza da música
não começaria com partituras, notas e pautas.
Ouviríamos juntos as melodias mais gostosas e lhe contaria
sobre os instrumentos que fazem a música.
Aí, encantada com a beleza da música, ela mesma me pediria
que lhe ensinasse o mistério daquelas bolinhas pretas escritas sobre cinco linhas.
Porque as bolinhas pretas e as cinco linhas são apenas ferramentas
para a produção da beleza musical. A experiência da beleza tem de vir antes".

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Tá brincando!

Algumas coisas não podem ser mudadas
(bem que eu tento)

Alguns sentimentos devem ser ignorados
(não consigo, faz parte de mim)

Algumas vontades devem ser diluídas pela razão
(o que é razão mesmo?)

Alguns amigos devem ser esquecidos, pois se vão
(tá brincando...nunca conseguirei esquecer)

Algumas paixões devem morrer na beira do mar
(preferiria morrer agora mesmo)

Alguns amores devem se afogar na corredeira
(até pode ser, mas só depois de tentar)

Algumas mãos nunca poderão ser tocadas
(nossa, que desperdício, é tão bom!)

Alguns beijos nunca poderão ser dados
(tem certeza? nem ao menos numa despedida?)

É assim mesmo!
Algumas coisas não podem ser mudadas
(não acredito nisso, tudo muda, nós mudamos, SEMPRE)

Fernando Pessoa


O amor, quando se revela,
Não se sabe revelar.
Sabe bem olhar p'ra ele,
Mas não lhe sabe falar.

Quem quer dizer o que sente
Não sabe o que há de dizer.
Fala: parece que mente
Cala: parece esquecer

Ah, mas se ele adivinhasse,
Se pudesse ouvir o olhar,
E se um olhar lhe bastasse
Pr'a saber que o estão a amar!

Mas quem sente muito, cala;
Quem quer dizer quanto sente
Fica sem alma nem fala,
Fica só, inteiramente!

Mas se isto puder contar-lhe
O que não lhe ouso contar,
Já não terei que falar-lhe
Porque lhe estou a falar..

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

A Donde Vayas

Cuando apareces, desaparece
Todo lo que me daña
Y me parece que las palabras
llegan sin preguntar
Éste camino no tiene final
llévame a donde vayas

A donde vayas
Donde te quedes
Ahí quiero estar
A donde vayas
Cuando florezca la madrugada
quiero besar tu espalda
en tu camino me quiero quedar
Llévame adonde vayas
A donde vayas
dónde te quedes
ahí quiero estar
A donde vayas
dónde la suerte
Nos quiera llevar
A donde vayas
En el espacio de tu mirada
encerraré mi alma
y en tu figura desafinada
quiero perder la calma
Éste destino no tiene final
Llévame a donde vayas

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

Violeta - Ana Prada

Que lindo violeta daba
Tu mejor jacarandá

Solita mi alma andaba
Yo quisiera te encontrar

Camino de vuelta a casa
Tu senda quise mirar

Sin reparar en mi huella
Perdida donde quedar

Un sol gris me vá siguiendo
Y apura mi caminar

Pero si ME VOY tan lejos
Mis raíces quemará

Un sol gris me vá cegando
No veo donde pisar

Pero si TE VAS tan lejos
Qué flores me quedarán?

Qué lindo Violeta daba
Tu mejor jacarandá

Solita mi alma andaba
Yo quisiera te encontrar

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

Um abraço!

Um abraço
Diminui o espaço
Que fica no vazio
Entre nossos braços.

O que faço
Com o abraço
Que ainda abraça
Nossas almas
E as entrelaça?

Quando um abraço
Desabraça
Dá um medo danado
De ficar
Sem a força
Daquele abraço!

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

É preciso coragem

"É preciso coragem...
Pra viver a vida,
pra curar as feridas,
pra existir.

É preciso coragem
pra comprar passagem,
pra seguir viagem,
pra sorrir.

É preciso coragem
pra amar,
pra chorar,
pra sofrer,
pra desejar.

É preciso coragem
pra lutar,
pra perder,
pra ganhar.

É preciso coragem
pra construir,
pra persistir,
pra conquistar.

É preciso coragem,
é preciso sim,
pra parar,
pra pensar,
pra aceitar
que eu tive coragem,
(ao menos
de tentar)
ser feliz!"

sábado, 5 de setembro de 2009

POEMA DO AMIGO APRENDIZ

Quero ser tua amiga...
Nem demais e nem de menos.
Nem tão longe e nem tão perto.
Na medida mais precisa que eu puder.
Mas amar-te sem medida
e ficar na tua vida,
Da maneira mais discreta
que eu souber.
Sem tirar-te a liberdade,
Sem jamais te sufocar.
Sem forçar tua vontade.
Sem falar,
quando for hora de calar.
E sem calar,
quando for hora de falar.
Nem ausente, nem presente
por demais.
Simplesmente,
calmamente, ser-te paz.
É bonito ser amigo.
Mas confesso, é tão difícil aprender!
E por isso eu te suplico paciência.
Vou encher este teu rosto de lembranças.
Dá-me tempo,
de acertar nossas distâncias...
(Fernando Pessoa)

sexta-feira, 4 de setembro de 2009

Uma angústia me invade
De tal forma me destroi
Não quero mais
Saber o que vai acontecer
Não quero mais lidar com probabilidades
Só quero olhar sem sentir
E sentir sem chorar mais!

Ah!
Os filósofos tentam
Explicar suas loucuras
Mas não conseguem descobrir
O valor que tem
Admirar alguém
Tenho medo de saber o que já sabia
Por isso preciso esquecer
Para deixar acontecer.

Viu?
Continuo querendo pensar
Não quero mais saber
Não quero mais intuir
Preciso esperar o tempo passar
Ele sim resolverá tudo
E minha angústia
descabida e apaixonada
Curará!

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Um Dia...

A Lua
Que fita o Sol
Imagina que
Um dia
O tempo não vai passar

Cada um
Na sua hora
O Sol e a Lua
Um Dia
Irão se encontrar

Pois a Lua
Na sua noite
Não brilharia
Sem o Sol

E o Sol
No seu dia
Sem a noite
Não ficaria

Espera

Meu olhar espera
Pelo olhar que queima
Sem chegar perto

Minha mão espera
Pela toque da mão
Só na imaginação

Minha boca espera
Pela palavra que existe
Só no silêncio triste

Mas como?
Se sinto o olhar
Sinto o toque
E ouço as palavras

Não pode ser
Só ilusão

segunda-feira, 31 de agosto de 2009

REFLEXIÓN SOBRE EL "APRENDER"

“Se trata de un diálogo que escuché hace tiempo . Las nenas hablaban entre si. Sin la interferencia de ningún adulto se vieron en la necesidad de explicar qué quiere decir ‘aprender’?. A qué se refiere ese verbo ‘aprender’, que se introduce entre otro verbo que suele ser ‘ir’, ‘querer’ o ‘desear’ y el objeto del conocimiento? Cuando decimos ‘Quiero aprender computación’, o ‘deseo estudiar inglês’ o ‘voy a aprender matemática’, que relación se establece entre el querer y la computación, entre el ir y la matemática, o entre el desear y el inglês?
- Me voy a aprender a nadar. – dice Silvina con la alegria de sus 6 años recién cumplidos.
-Vas a nadar? – interviene la hermana, tres años menor.
-No, voy a aprender a nadar.
-Yo también voy a jugar a la pileta.
-No es lo mismo. Yo voy a aprender a nadar, dice Silvina.
-Que es aprender?
-Aprender es…como cuando papá me enseño a andar en bicicleta. Yo tenía muchas ganas de andar en bicicleta. Entonces…papá me dió una bici…más chica que la de él. Me ayudó a subir. La bici sola se cae, la tenés que sostener andando…
-A mí me da miedo andar sin rueditas.
-Un poco de miedo da, pero papá sostenía la bici.No se subió a su bicicleta grande y dijo ‘así se anda en bici…’. No, él se puso a correr a mi lado, siempre sosteniendo la bici… muchos días, y de repente sin que yo me diera cuenta, soltó la bici y siguió corriendo al lado mio.
Entonces yo dije: Ah…! APRENDÍ!
Una mujer, que escuchaba la escena desde lejos, no pude dejar de mirar, la alegría del ‘aprender’ pronunciado, quje se había trasladado hasta el cuerpo de la más pequeña, y aparecía por el brillo de sus ojos.
-Ah! Aprender es casi tan lindo como jugar. – respondió.
-Sabes, papá no hizo como en la escuela. No me dijo: ‘hoy es el dia de aprender a andar en bicicleta’. ‘Primera clase:andar derecho. Segunda clase:andar rápido. Tercera clase:doblar.’ No tenía un boletín donde anotar: ‘muy bien’, ‘excelente’, ‘regular’… porque si hubiera sido así, no sé, (talvez) algo en mis pulmones, en el estómago, en el corazón. No me hubiése dejado aprender.
La mujer psicopedagoga que presenciaba la escena, nunca había escuchado, ni leído, ni logrado escribir una explicación tan acertada del acto de enseñar y aprender y hoy quiere compartir con ustedes algo de lo que esas nenas le permitieron pensar”.

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Poesia selecionada no Projeto: Poesia na Universidade - UFRGS

CANTO

Quando canto
O mundo para em mim
Param as horas de correr
Param as pessoas de falar
O ar que entra é só meu
A voz que sai é só minha

O som se congrega em minha alma

Só o coração não para
Bate forte
Provoca uma respiração
Densa de emoção

Estar no palco
É como viver
para sempre
Pela eternidade
Apaixonada

O cérebro se embebeda de Arte!

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

CARMINA BURANA (tradução)


01. Ó Fortuna
Ó Fortuna
és como a Lua
mutável,
sempre aumentas
e diminuis;
a detestável vida
ora escurece
e ora clareia
por brincadeira a mente;
miséria,
poder,
ela os funde como gelo.

Sorte monstruosa
e vazia,
tu – roda volúvel –
és má,
vã é a felicidade
sempre dissolúvel,
nebulosa
e velada
também a mim contagias;
agora por brincadeira
o dorso nu
entrego a tua perversidade.

A sorte na saúde
e virtude
agora me é contrária.

e tira
mantendo sempre escravizado.
nesta hora
sem demora
tange a corda vibrante;
porque a sorte
abate o forte,
chorais todos comigo!

Es

Soñar
Es sentir
Que la vida
Tiene razones
Para ser vivida

Querer
Es saber
Que el sueño
Tiene razones
Para ser soñado

Soñar
y
Querer
Es,
Nada más que
Amar

domingo, 16 de agosto de 2009

HOMENAGEM

L-ouvores à Deus oferecemos hoje
U-nidos na amizade, no carinho e no amor, pelas
B-elezas de um tempo passado
I-nspirados na minha inesquecível professora de matemática,
A-bençoada seja hoje e sempre.

S-ol, Lua
A-stros, estrelas
N-atureza,vida
T-odos em festa estão
A-licerçados na sua força e perseverança
N-esta noite tão especial
N-avegando em águas de felicidade
A-gradecemos pelas alegrias congregadas na união!

FELIZ ANIVERSÁRIO!

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Voltando, ainda bem!!

Voltar significa também recomeçar. Depois de um período como este que vivemos, repleto de medos, inseguranças, ninguém querendo chegar perto do Outro, e ainda convivendo com termos como Pandemia e Epidemia, temos que enfrentar alguns desafios tanto quanto ao que nós, educadores, sentimos e compreendemos de tudo isso, quanto aos nossos esducandos e suas famílias. Provavelmente chegarão com seus olhinhos ansiosos, trazendo muitas preocupações de casa, inflados de conselhos maternos, paternos e até "vóternos".
Nossa primeira função é acolhê-los, com ternura, carinho e muita compreensão.
Sabemos que todos os planejamentos feitos anteriormente serão de alguma forma modificados, ou nas datas ou até mesmo eliminados do novo calendário, adaptado para melhor atender e administrar o tempo que resta.
Acredito que as ações que serão discutidas, refletidas e efetivamente decidas são ações que já deveriam constar no dia a dia das famílias e das comunidades escolares, pois trata-se de Higiene. Toda esta reflexão que deve acontecer, e que é fundamental que aconteça, reforça a nossa realidade e nossa função na sociedade como cidadãos.
Como instituições que privilegiam a formação integral dos educandos desenvolvendo uma consciência crítica dos acontecimentos que nos rodeiam, temos que oportunizar, através de situações dialogadas, o interesse para buscar as informações necessárias, momentos de análise do que é fantasia e o que é a realidade. Para isso os próprios educadores e os profissionais de educação devem informa-se, buscar subsídios, ler, perguntar, questionar profissionais das áreas afins, para orientar uma aprendizagem tão significativa que o momento nos oferece.
"Não percamos esta oportunidade!!!"

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

Palavra e canção!

Certa feita um Certo professor,
que numa homenagem dedicada a ele,
escondía-se atrás de uma caixa de som...
disse:
"A MÚSICA FALA"
Ao pensar sobre isso, reporto-me àquelas aulas
que não queria nunca que chegassem ao fim.

Mas tudo tem fim.

A música falava através de seu coração,
e um dia gostaria de dizer-lhe isso
(embora ele sempre soubesse),
pois lhe dizia quando sentava na fila da frente,
no centro,
como sempre,
e o fitava.

A música falava em Schoenberg,
as palavras misturavam-se à música,
assim como misturam-se à vida,
a nossa vida.
Palavra e música casaram-se e gerou,
no Brasil, um outro casamento:
Poesia e Canção.
Para falar de Poesia e canção, só possui licença
quem usa verdadeiramente em sua vida
a poesia escrita e a poesia cantada
de tal forma que não existe espaço
para racionalizações e estratégias estapafúrdias,
pois só atrapalham o elo de sentimentos que
que conduzem a momentos inesquecíveis.

Melancolia, tristeza, saudade e o desejo eterno
dessa tão inalcansável felicidade
são inseparáveis do verdadeiro Poeta da canção.
De outra forma
não há Poesia,
muito menos...
Canção.

domingo, 9 de agosto de 2009

Conversando com meu pai!


Oi Pai!

Lembra?
Quando pequena
Domingo era o dia
Em que antes do meio-dia
Íamos brincar na pracinha
E comprar as revistinhas:
Mônica, Cebolinha...
Ah! E tinha da Luluzinha.

Lembra?
Ficava contando os dias
Quando viajavas,
E sempre te esperava,
no dia da tua chegada,
Na escada da porta de casa.

Lembra?
Férias...era sagrado:
Montevideo,Las toscas,
Piriápolis, Porte Suelo,
Punta de Leste y Punta Ballenas.
Abuela Elisa y mi Táta
Siempre juntos en Noche Buena...

Me acuerdo yo
Cuando por última vez te vi
Estaba yo en un bus
Y como nunca habia pasado,
Por casa pasó
y alli estabas.
Miré hacia atrás y...
Adiós me diste tu...

Me acuerdo yo
Que una semana después
Volvi a verte,
Tendido
Me di cuenta
Que aquél Adiós
Para siempre
Habia sido.

Tu, que tienes un Angel en el nombre
Siempre supiste
Que ese angelito nunca sola me dejaria.
No sé si nos encontraremos de nuevo,
Por algun lugar del cielo
Pero tengas en cuenta
Que te buscaré
Cuando mi tiempo llegue
Y... creémelo,
Viajaremos y conoceremos
Juntos todo el Firmamento
Amén.

Feliz dia Papi!

(Meu Pai: ANGEL COSME VORGA)

sábado, 8 de agosto de 2009

LAS PALABRAS


Poema de Antonio Miranda
Para Víctor Alegría

Ilustración de Azalea Quiñones (Venezuela)*






Las palabras dan saltitos, pululan
están sueltas, sin ataduras.

Palabras vivas.

Sonidos, movimientos, sentimientos.
Sino, están petrificadas,
hechas de letras

-arquitecturas banales.

Las palabras no representan,
ellas son,
están más allá de los significados

-¿o sería, mas, bien,
aquende?

Liberadas de los diccionarios
por los campos
por las fábricas, por los lugares
de su gestación.

Originarias, necesarias.

Ellas ejercen un poder
tanto porque podemos con ellas
apoderarnos del mundo

(o conocer)

cuánto ellas nos gobiernan
y orientan.

Las palabras son la música
de las cosas nombrables;
las formas de las cosas:
el propio sonido
que ellas emiten.

Podemos dar a las palabras
el sentido que se quiera
aprisionarlas en obras
de fino tejido.

Pero no siempre

-y felizmente-

las palabras conducen a la Razón,
van a lo imaginario
a la belleza de su condición:

las ondas equilibran
el movimiento
del mar,
marmorizado en las palabras:
Podemos transformarlas
en textos descifrables.

Desarmarlas, montarlas
sobre una superficie
limitante y fría.

No obstante,
las palabras
estarán libres
vivificadas

cuando son poesía

sexta-feira, 7 de agosto de 2009

Soneto LXXIII - Camões


Amor é fogo que arde sem se ver,
é ferida que dói e não se sente,
é um contentamento descontente,
é dor que desatina sem doer.
É um não querer mais que bem querer,
é solitário andar por entre a gente,
é não contentar-se de contente,
é cuidar que se ganha em se perder.
É um estar-se preso por vontade,
é servir, a quem vence, o vencedor,
é um ter com quem nos mata lealdade.
Mas como causar pode o seu favor
nos mortais corações conformidade,
sendo a si tão contrário o mesmo? am
or

Palavras

"A palavra, matéria-prima do poeta, é o mais nobre dos materiais de
que o homem dispõe. A palavra nasceu com a civilização e só com ela morrerá"


Ah! Poesias

Palavras soltas
Que organizadas
Pela mão do Poeta
Clamam
Choram
Gritam
Amam.

Ah! Poesias

Palavras soltas
Que organizadas
Pela mão do Poeta
Nascem
Voam
Chegam
Morrem.

terça-feira, 4 de agosto de 2009

MIEDO (Pedro Guerra)


El miedo es una raya que separa el mundo
el miedo es una casa donde nadie va
el miedo es como un lazo que se aprieta en nudo
el miedo es una fuerza que me impide andar

Miedo que da miedo del miedo que da

(postado por uma amiga no Escaparate e copiado por outra amiga)

quinta-feira, 30 de julho de 2009

Errar é insano?

Os erros que cometo
Me permitem ver
O que velado fica
Sob o frio do inverno.

Os erros que cometo
Desvelam a luz
Sob o olhar que fita
De longe, sem querer.

Pelo menos cometo erros
Só assim conseguirei vencer
Na loucura insana de uma Paixão
O tempo que vem no alvorecer.

Señales 2

mi corazón una copa
brindando tu luz
amigo que no estás
pero estás
más que todo

porque desde la muerte
nos has tendido un puente
de alegría
para que ya nada nos separe

Diana Venturini

Sinais!!

Vejam bem...
Sinais e seus significados
ninguém entende os meus!

quarta-feira, 29 de julho de 2009

Indo e vindo

Aqui estou...
Em Livramento
No calor da família
Que aquece o coração
e acalma a mente.

Amanhã vou-me embora
"Devagarito nomás"
Como tantas vezes fiz
Levo um pouco daqui
Deixo um pouco de mim.

Sempre é assim
Trago saudade no peito...
quando venho
Levo a saudade daqui...
Para sempre!

O que aquieta meu coração
É saber que meu Pago
Continua no mesmo lugar
Sempre a me esperar!

Até mais ver família querida!!!

quinta-feira, 23 de julho de 2009

saudade

A saudade vai
O pensamento vem
O tempo passa
Meu amor não vem

Será que algum anjo no céu
Poderia falar com uma estrela cadente
Pra trazer de volta meu Bem-querer
Pois vou-me embora, vou prá longe
E não quero meu alento perder

A saudade vem
O pensamento vai
A distância aumenta
Meu amor não vem

sábado, 18 de julho de 2009

Tempo e Distância

Ouvi dizer que o tempo e a distância são relativos.
Mas o que é relativo em relação ao tempo e à distância?
Eles apenas são, se olharmos do ponto de vista deles,
de fora prá dentro.
Se invertermos e conseguirmos olhar de dentro prá fora,
é possível haver uma saída para o medo que tenho do tempo
que passa e da distância que fica.
Em alguns momentos da minha vida desejei que
o tempo parasse quando perto estava.
Em outros desejei que o tempo voasse para mais perto estar.
Já quis também que os ponteiros do relógio andassem
mais rápido para bem longe ficar,
do outro lado do mundo,
ou enterrar-me num buraco profundo.
Se resolverem, o tempo e a distância,
jogarem contra os corações apaixonados,
talvez as peças voltem para seus lugares sem maiores percalços.
Em compensação,a tristeza tomará conta de um espaço especial no coração,
cuja única dona é a
Paixão.

quinta-feira, 16 de julho de 2009

Ética ou falta de autenticidade?!

Ações, atitudes íntegras, estar tranquíla comigo mesmo,
já que minhas ações não prejudicam o Outro.
Reflito sobre isso porque observo atualmente
as condições de vida,
de trabalho,
de convivência,principalmente,
podem nos confundir...

Será?

Hoje fiquei confusa.

Queria muito uma coisa e uma ação minha mudaria o resultado a meu favor.
Porém...não consegui fugir de meu jeito de conduzir determinadas situações,
jeito esse que aprendi com meus pais, e lembro bem deles me dizendo:
- Não...não é assim que se faz...Faz o que achas ser o correto, para ti e para os que convivem contigo.
Pois, descobri que o correto para mim, pode ser compreendido como "falta de Autenticidade", e pior, por pessoas profissionais em Educação.

Estou refletindo seriamente sobre o que ouvi, pois um Educador confundir "ÉTICA" com "falta de autenticidade", é realmente muito sério, ou burrice, ou ignorância, ou qualquer coisa parecida...
Tanto faz, como tanto fez.
Não vou mudar minha forma de compreender a Ética, de compreender as relações profissionais ou naõ, pois a estudei, e muito.
A reflexão é a única saída para as dificuldades, para os caminhos ou descaminhos, para a compreensão de que EU estou integralmente certa.

Não tenho dúvida que não sairei perdendo, talvez um pouco frustrada e até um pouco triste,não importa! Perderá aquele que não possui a capacidade de compreender o simples "ser" e "estar" num grupo, quanto mais, imaginem vocês, conseguir compreender este grupo com uma visão e uma compreensão Ética. Muito complicado para seu entendimento de vida. Acho que impossível. Tomara que não tenha filhos...

Bom...
Melhorei!
Obrigada a mim mesmo!

terça-feira, 14 de julho de 2009

DEDICATÓRIA!

Amigos são
quando estão
Amigos estão
quando não vão
Amigos...uma esculhambação
Por isso...
Amigos sempre moram
no coração.
Amigos que foram
Amigos que ficaram
Amigos que se enganaram
Mas não nos deixaram
Alguns,
improvisam dissonâncias
Outros, as consonâncias
Porém...
Todos marcam o tempo
Num Tempo fundamental.

segunda-feira, 13 de julho de 2009

Uma Fada num conto!

Quando olho pela janela do ônibus
Vejo a paisagem que vai ficando atrás
Lembro do olhar num instante rápido
de dois apaixonados num conto de Fadas.

Lembro do sorriso,
por um momento destemido
que aparece como mágica.
O feitiço se mantém.
Só que algumas vezes,
não vem.

Causa angústia,
causa uma imensa saudade,
Causa tristeza,
causa ansiedade.

É aqui que mora
a eterna dúvida
de uma fada apaixonada
Será paixão ou
será apenas
uma ilusão?

domingo, 12 de julho de 2009

Quem ama deixa voar

Saibam meus amigos
Que compreendemos
O sentido da vida
Precisamente quando
Descobrimos que
Amar é deixar partir

Se não fosse assim
O Amor se transformaria
Na ilusão do próprio Amor
Aprisionado em si mesmo

A Paixão nos aprisiona
Dentro de nós mesmos
É egoísta, enciumada
Mesmo assim,
provoca um prazer indescritível
Fantasiamos,
imaginamos cenas impossíveis,
Choramos,
Perdemos sempre.

Aliás...Como Amar sem perder?

sábado, 11 de julho de 2009

quinta-feira, 9 de julho de 2009

Meu Canto!

Minha voz canta
Prá ti, prá mim
Pela Paz, pelo Amor
Pelo medo, Pelo Louvor

Hoje sem ela
Sem cantar estou
Nem por ti
Nem por mim
Nem pelo Amor
Que no mundo restou

segunda-feira, 6 de julho de 2009

Sonhos

Sonho que vou
Sonho que fico
Sonho que paro
e não saio do lugar

Sonho que apareço
Sonho que sumo
Sonho que pulo
para um outro lugar

Sonho que me leva
No vento de um olhar
Sonho que me faz
cair e acordar...

Que pena!
Foi só um sonho...

domingo, 5 de julho de 2009

The impossible Dream! .......mais uma....

To dream the impossible dream
To fight the unbeatable foe
To bear with unbearable sorrow
To run where the brave dare not go

To right the unrightable wrong
To love pure and chaste from afar
To try when your arms are too weary
To reach the unreachable star

This is my quest
To follow that star
No matter how hopeless
No matter how far

To fight for the right
Without question or pause
To be willing to march into Hell
For a heavenly cause

And I know if I'll only be true
To this glorious quest
That my heart will lie peaceful and calm
When I'm laid to my rest

And the world will be better for this
That one man, scorned and covered with scars
Still strove with his last ounce of courage
To reach the unreachable star

quinta-feira, 2 de julho de 2009

Tudo é tão simples. Nasci, cresci
com amor, com música, com calor humano, com beijos, com abraços, com amigos...Poucos...é verdade, mas...verdadeiros.
Que saudade!
Andei pelo mundo (uma boa parte dele),
namorei, beijei, conheci pessoas incríveis!
Sou Mulher; Mãe; Palavra; Paixão; Poema; Canção;
Encanta-me o encanto
de um carinho, da magia,
da ternura de um olhar.
Seja aqui, seja lá.
Seja onde for...
Com razão ou sem razão.
Dissonante ou consonante.
Estou entre as linhas de um Poema. Entre uma canção e outra.
Entre um antes e um depois.
As pessoas saberão de onde vim
e pra onde vou.

terça-feira, 30 de junho de 2009

Music and Me (Michael Jackson & Mike Cannon)

We’ve been together
For such a long time now
Music, music and me
Don’t care whether all our songs rhyme now
Music, music and me

Only know wherever I go
We’re as close as two friends can be
There have been others
But never two lovers
Like music, music and me

Grab a song and come along
You can sing your melody
In your mind you will find
A world of sweet harmony
Birds of a feather
We’ll fly together
Now music, music and me
Music and me

segunda-feira, 29 de junho de 2009

Tempo vai, vento vem

quero saber o que fazer
quando não sai da cabeça
o que não deveria ser
isso é sinal de loucura
tenho tentado escrever
para esquecer...
parece que não adianta
tentar ao vento vencer

sábado, 27 de junho de 2009

então...o que resta?

hoje estou impregnada de tempo
do tempo que passou
do tempo de hoje
do tempo que ainda não chegou

um dia subi num palco
e cantei
decidi que faria
até morrer

um dia fiz uma escolha
que mudou minha vida
decidi ensinar
e estudar para ensinar bem.

ouço o que não me agrada
vejo o que não queria
pessoas não fazem melhor
porque não conseguem amar.

ensinar o que não é sentido
não faz sentido
ensinar o que não é compreendido
não será aproveitado.

amo o que faço
faço porque preciso amar
quem não sabe disso
não sabe ensinar
o que é amar.
se um poema cai da pena
cai o céu sobre o papel
vaza lágrimas azuis
toda a vez que o verso flui
feito de sal ou de mel
de repente é uma vertente
que deságua em desvario
e quando fica cativo
entre as margens de um livro
se liberta e vira rio
se o poema vale a pena
ganha asas de cigarra
e se vai de mão em mão
pra cantarolar verão
no sol tênuo e das guitarras
ganha colo sob os olhos
de quem sofre do seu tema
e na folha de um caderno
o amor torna-se eterno
na magia do poema.
vaine darte/paulo paim)

sexta-feira, 26 de junho de 2009

O cúmplice

Crucificam-me e eu devo ser a cruz e os cravos.
Passam-me o cálice e eu devo ser a cicuta.
Enganam-me e eu devo ser a mentira.
Incendeiam-me e eu devo ser o inferno.
Devo louvar e agradecer cada instante do tempo.
Meu alimento é todas as coisas.
O peso preciso do universo,
a humilhação,
o júbilo.
Devo justificar aquilo que me fere.
Não importa minha ventura ou desventura.
Sou poeta.

(Jorge Luis Borges)

quinta-feira, 25 de junho de 2009

O Sonho é solitário,
por isso é sonho.
Ao simplesmente expressar-se,
transforma-se em realidade!

A realidade está
na existência do Outro
Portanto...
O sonho une-se ao Outro
convertendo-se em Nós.

Eu... sonho
Nós... transformamos

terça-feira, 23 de junho de 2009

Mora em mim...

Para alguns...
Pessoas passam
Pessoas ficam um tempo
Pessoas, depois vão embora
*prá sempre

Por mim...
Pessoas não passam
Pessoas ficam
Marcadas no coração
Pessoas, nunca
embora vão
*mesmo que já tivessem ido

É sempre assim
Por isso que a saudade
Mora em mim...

segunda-feira, 22 de junho de 2009

Palavras...

Escrevo as palavras
ou elas sozinhas se escrevem?
Não sei...
Sei que faz bem.
Alivia a intensidade do que sinto
É como se tivesse um pacto com as letras.
Um segredo,
uma parceria,
uma cumplicidade,
como se já soubessem o que será escrito.

Se alguém ler o que escrito está
torna-se parte de um outro mundo.

Eis o Belo das palavras.
Elas eternizam um momento,
um segundo no tempo,
um carinho,
um olhar.

Tudo pode ser ínfimo
porém,
diante do infinito
pula-se do Inferno
para o Ser Eterno.

Ao Tempo

Tempo
Quando passas
me pergunto
se teremos um Tempo
no Tempo que passa
antes que a partida
vença
o Tempo que temos
no Tempo que passa...

Pois tenho medo
de perder
o Tempo
que aparece do nada
num Tempo que
quase não temos Tempo
prá nada.

Tempo que passa...
permite um Tempo
para que tenhamos Tempo
de não perder o Tempo
no Tempo que passa.

Beija-flor

Lindo Beija-flor
Que fita escondido uma flor
Com seu olhar encantador.
Voe a favor dos ventos!
Eles têm o poder
de encurtar distâncias
Fazendo sonhar a Flor
Com o dia em que
Terá um beijo
do seu beija-flor.

domingo, 21 de junho de 2009

Segundo Maria Bethânia e Alceu Valença (e eu...)

"Se eu morresse de saudade
Não poderia dizer
Que bom morrer de saudade
E de saudade viver"


"Ser um beija-flor
e voar até aí
para matar a saudade
e não ela a mim"

sábado, 20 de junho de 2009

Ontem foi ontem!

Outro dia
Ontem passou
Mesmo com as conturbações
Foi muito bom!
Difícil...
Mas, muito bom!
Minha querida Leda
És especial!
Teu carinho
Teu sorriso
Tua demonstração de confiança

Obrigada!

sexta-feira, 19 de junho de 2009

Para mim mesmo!

Alguns desafios parecem intransponíveis.
Bate aquele medo de enfrentá-los.
Quando criança, um sonho se repetia incansavelmente,
tinha que atravessar uma rua, sempre na esquina,
descia a calçada. Tentava chegar
ao outro lado, porém ficava caminhando sem sair do lugar.
Bom, daí aquele desespero que nos faz acordar
sem terminar o sonho e chegar finalmente ao objetivo.
...atravessar ruas,
...atravessar pontes,
...na real, algumas consegui, outras não.
Aprendi a conviver com essas frustrações,
eu acho...

Hoje vai ser assim?

O coração fica apertado,
a respiração ofegante,
as mãos tremem,
a insegurança toma o leme
e me leva sei lá bem prá onde...
Assim estou, agora.
Preciso controlar meus ímpetos,
falar com calma,
pensar nas palavras certas.

Mas...

quinta-feira, 18 de junho de 2009

Mi abuelo

Acho que ando um tanto adolescente,
uma atitude, por mínima que seja
parece o caos, a verdadeira revolução.
Só quando adolescente lembro desse tipo de sentimento,
uma inquietude permanente.
Porém, hoje uma coisa me acalma:
Um certo olhar...

E, desde ontem, não sai da cabeça um verso
que meu Táta (mi abuelito) me dizia
quando 'bambina', eram muitos, mas este
sempre esteve presente em mim,
pois, quando o cantava,
vinha acompanhado de um lindo sorriso,
daqueles que tornam alguns momentos inesquecíveis!

"Porque me miras
Si no me quieres?
Y, si me quieres,
Porque no me sacas a bailar?"


Quem não conhece?

segunda-feira, 15 de junho de 2009

Certa vez, numa aula de História da Música - Musica Medieval e Renascentista -, quando o professor, meu querido professor Celso, entregava as primeiras provas do semestre, meu coração parecia sair pela boca. Não queria decepcioná-lo, principalmente.
Estudei muito, pois meu objetivo sempre foi o 10. A sala estava repleta, uns 45 alunos, por aí. Nunca chegava a minha. Ele sabia que a cada prova que entregava, me aterrorizava mais. Precisava provar para ele e para mim que era capaz de tirar 10. Ora bolas, era só estudar...
Pois, assim foi até a última prova, finalmente a minha. Nesse meio tempo, minha fantasia corria a 100 km/h na minha frente e não conseguia contê-la.
Antes de entregar-me a prova, olhou fundo nos meus olhos (sentava exatamente no meio da sala, na 1ª fila), e disse:
- Um dia a roda da fortuna está em cima, no outro...Ah! No outro não vais ter tanta sorte assim. Será que me conhecia tanto?
Lançou-me aquele desafio para provocar-me de tal forma que até o fim do semestre a roda da fortuna manteve-se no mesmíssimo lugar. Mais um 10, para meu ego estrondoso, só naquele momento, diga-se de passagem. Foi o máximo! Vibrei, encerrei meu semestre como a única aluna a tirar nas duas provas...10.

Quando lembro da Roda da Fortuna, esse fato vem junto, como se estivesse carimbado em minha alma.
Aliás, morro de saudade das aulas do professor Celso.

Só que...
O que fazer quando algumas coisas não saem como o previsto?
Penso demais no que certas pessoas pensam e isso começou a me atrapalhar.
Gostaria de não me preocupar tanto com tudo.

Desta vez, acho que a Roda da Fortuna me venceu...

quinta-feira, 11 de junho de 2009

Quem sabe?

Olho para o céu
Vejo uma Lua
Linda a Lua!
Pergunto a ela...
Sabes?
Não.

Vejo uma Estrela
Parceira da Lua
Que brilha
com brilho emprestado
Pergunto a ela...
Sabes?
Não.

Resta-me a Noite
Com sua voz grave
E robusta
Que às vezes assusta
Pergunto a ela...
Sabes?

Ela me diz:
Espera o meu amigo Dia
Ele possui a clareza
da Luz da razão

Saberá te dizer que o brilho
está no Sol
que ilumina uma Paixão

terça-feira, 9 de junho de 2009

De Rita Apoema!!

Faço minhas suas palavras

Alguns escrevem pela arte,
pela linguagem,
pela literatura.
Esses, sim, são os bons.
Eu só escrevo para fazer afagos.
E porque eu tinha de encontrar um jeito de alongar os braços.
E estreitar distâncias.
E encontrar os pássaros:
há muitas distâncias em mim (e uma enorme timidez).
Uns escrevem grandes obras.
Eu só escrevo bilhetes para escondê-los,
com todo cuidado,
embaixo das portas.

domingo, 7 de junho de 2009

Liberd-arte!

A dona Liberdade...
Essa história é antiga.
O que busca eternamente
dar a mão à liberdade
no seu estado mais puro
é qualquer forma de Arte.

É na perene busca do Belo
que na expressão artística
se sente,
se ama,
se odeia,
se livra da escravidão eterna.

Utopia?
Não...
ARTE

Quando a dúvida se instala...

Por que a dúvida existe?

Gostaria de ter certeza de tudo.

De ter feito a coisa certa;
De saber que quem eu penso, pensa em mim;
De querer ser o melhor exemplo para minha filha;
De não ter dúvidas sobre amizade ou paixão;
De ser um exemplo de educadora.

É...
Sei lá (como uma amiga escreve...)

Muita coisa...
Será?

sexta-feira, 5 de junho de 2009

Lamento!

Menina dos sonhos dourados
que adormece na lua minguante
reponta nos olhos a esperança
de sentir o calor
do toque de uma lembrança

Pede prá estrela primeira
que reponta no céu do escuro lamento
que a dor que se amarra no peito
pegue na madrugada
carona na garupa do vento

O mormaço do olhar profundo
que aquece o coração arteiro
da menina dos sonhos dourados
vai embora sem descobrir
o gosto do som do canto
no beijo roubado de um devaneio

quinta-feira, 4 de junho de 2009

Digressão Pedagógica!

(especialmente para uma amiga de alguns anos)

Construir vínculos não é uma tarefa fácil.
Muitos sentimentos emergem, e ficam
expostos às condições do momento.

Durante as aulas, o conteúdo passa a um segundo
plano quando seres de tão pouca idade ficam com
os olhos fitados em mim.
Porém...
O que será que estão olhando?
Será a roupa?
Será meu jeito meio doida,
fazendo
e dizendo tantas palavras
quase que ao mesmo tempo?
Pergunto:
- O que foi? Tudo bem?

Batem na porta.

- Oi professora! Como está meu filho?

Fico remoendo possibilidades de respostas.
Os laços familiares são a sustentabilidade
para que a confiança em si mesmo seja sólida,
para que a atitude com relação ao mundo esteja
assentada no amor,
no perdão,
na ponderação,
na tolerância,
na justiça
na solidariedade.

A escola é o espaço do saber, portanto tem o dever de
estimular na conscientização das problemáticas relacionadas
à aprendizagem. Se essas problemáticas passam pela família,
o que parece bem claro hoje, não há como evitar essa relação.
Porém, tudo tem limite...inclusive a escola
através de TODOS os setores.

Alguns aspectos nos cabem, outros não.
E como uma vez ouvi do Diretor:
"É o uso do Bom Senso"
Assim estamos.
Não vou esquecer. Aprendi.
Temos que parar e pensar, pois os impulsos
devem ser controlados (quase sempre hehe)
Só que o uso do bom senso requer sabedoria
e conhecimento.
Nossa relação com pais, mães e afins estão na reta
do aspecto pedagógico com as variáveis que nela recaem.
Temos que saber o nosso limite,
se queremos que outros compreendam os seus limites.

- Ah! Mas...

- Sem mas...

Ponto final.

(Apenas uma hipótese para explicar o que penso. Não aconteceu.)

quarta-feira, 3 de junho de 2009

Qualquer loucura semelhante é mera coincidência!

Te sonho
Acordo

Te penso
Distraio

Te vejo
Tremo

Te esqueço
Não dá

Te falo
O quê?

Me perco
Já foi...

Ao deus do frio!

Oi Frio!
Quando apareces,
muitas vezes
trazes na carona
a cor acinzentada,
íntima amiga da melancolia.

Quando andas de mão
com o amarelo,
no "azul da cor do mar"
e no verde das campereadas
brilhas por demais,
refletindo na boca
o sorriso guardado
e o beijo
que não foi consumado.

É...
O cinza insiste em andar contigo...

Pensa bem...
Ficas mais elegante
quando o branco galante
entra na parada
caindo sem querer
para aproximar os corações
dos caminhos do bem querer.

Ei...Frio...
Gostaria de te pedir
que cuides bem
de quem não tem
nenhuma cor no caração.
Pois...
É bem aí
que o cinza
gosta
de aparecer.